Hélvio Romero/Estadão
Hélvio Romero/Estadão

IGP-DI sobe para 0,63% em junho e acumula 4,4% ao ano

Já o IPC-S também acelerou na primeira semana deste mês, divulgou na manhã desta segunda-feira, 8, a Fundação Getúlio Vargas

Vinicius Neder, do Rio, e Thais Barcellos, de São Paulo, O Estado de S. Paulo

08 de julho de 2019 | 08h26

O Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna (IGP-DI) acelerou o ritmo de elevação para 0,63% em junho, ante um aumento de 0,40% em maio, divulgou na manhã desta segunda-feira, 8, a Fundação Getulio Vargas (FGV).

O resultado do indicador ficou ligeiramente abaixo do piso das projeções do mercado financeiro, que estimavam alta entre 0,65% e 1,06%, com mediana positiva de 0,77%, de acordo com as instituições ouvidas pelo Projeções Broadcast. Com o resultado, o IGP-DI acumulou uma elevação de 4,40% no ano. A taxa acumulada em 12 meses ficou em 6,04%.

A FGV informou ainda os resultados dos três indicadores que compõem o IGP-DI. O IPA-DI, que representa o atacado, teve avanço de 0,83% em junho, após a alta de 0,52% registrada em maio. O IPC-DI, que apura a evolução de preços no varejo, teve queda de 0,02% em junho, ante um aumento de 0,22% em maio. Já o INCC-DI, que mensura o impacto de preços na construção, apresentou alta de 0,88% em junho, após uma elevação de 0,03% em maio.

O período de coleta de preços para o índice de junho foi do dia 1º ao dia 30 do mês.

IPC-S também acelera na primeira semana de julho

Já o Índice de Preços ao Consumidor - Semanal (IPC-S) acelerou a 0,05% na primeira quadrissemana de julho após registrar queda de 0,02% no fechamento de junho, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta segunda-feira, 8.

Dos oito grupos analisados, quatro registraram acréscimo nas taxas de variação no período, com maior contribuição de Habitação (-0,10% para 0,17%). Dentro do segmento, o destaque foi o item tarifa de eletricidade residencial, cuja taxa passou de -2,21% para -0,63%, em resposta, principalmente, à adoção da bandeira amarela no mês.

Também aceleraram entre a última quadrissemana de junho e a primeiro leitura de julho os grupos Alimentação (-0,09% para 0,04%), com influência de hortaliças e legumes (0,34% para 1,71%); Transportes (-0,70% para -0,68%), com contribuição de gás natural veicular (1,47% para 2,56%); e Despesas Diversas (-0,43% para -0,17%), em que o destaque foi bilhete lotérico (-10,27% para -6,55%).

Em contrapartida, apresentaram decréscimo nas taxas de variação os grupos Vestuário (0,49% para 0,17%), Comunicação (0,24% para 0,04%), Educação, Leitura e Recreação (0,85% para 0,73%) e Saúde e Cuidados Pessoais (0,41% para 0,39%). 

Nesses segmentos, a FGV destacou o comportamento dos itens roupas (0,58% para 0,19%), pacotes de telefonia fixa e internet (0,91% para -0,01%), show musical (0,57% para -1,11%) e serviços de cuidados pessoais (0,39% para 0,16%), respectivamente. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.