IGP-DI surpreende por alta de alimentos e commoditties

A inflação pelo Índice Geral dePreços-Disponibilidade Interna (IGP-DI) surpreendeu até a maispessimista das previsões em abril e atingiu a maior taxa desdedezembro, em decorrência das elevadas cotações das commoditiesinternacionais e dos alimentos mais caros. A alta foi de 1,12 por cento, ante elevação de 0,70 porcento em março, informou a Fundação Getúlio Vargas (FGV) nestaquarta-feira. O avanço fez a taxa em 12 meses atingir os doisdígitos, a 10,24 por cento. Economistas previam uma taxa de 0,83 por cento em abril,segundo a mediana de 16 projeções colhidas pela Reuters, queoscilaram de 0,77 a 0,91 por cento. "Os preços continuam sendo influenciados pela pressão dealta dos alimentos e das commodites nos mercadosinternacionais", disse Miriam Tavares, diretora de câmbio daAGK Corretora. Todos os três componentes do indicador aceleraram a alta,com destaque para o atacado. O Índice de Preços por Atacado(IPA) subiu 1,30 por cento em abril, ante alta de 0,80 porcento em março. A previsão para esse item era de algo em torno de 0,90 porcento e parte da surpresa veio do IPA industrial, que avançoufortes 1,77 por cento, ante variação positiva de 0,94 por centoem março. As principais altas individuais de preços no atacado vieramde arroz, minério de ferro, adubos e fertilzantes compostos,bovinos e in natura. O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) também subiu no mêspassado, atingindo alta de 0,72 por cento. No mês anterior, oindicador tinha subido 0,45 por cento. A principal pressão veio do grupo Alimentação, que reuniuas principais elevações individuais de preços no varejo: mamãopapaia, pão francês, tomate e leite longa vida. Alguns desses itens são produtos in natura, prejudicadospor conta de clima, enquanto outros contêm com ingredientescotados internacionalmente, sendo que muitos vêm batendorecordes no exterior. O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) teve altade 0,87 por cento em março, variação também maior se comparadaao aumento de 0,66 por cento em março. (Reportagem de Cláudia Pires e Vanessa Stelzer)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.