Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

IGP-M avança na 2a prévia de março por atacado e varejo

O Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M) subiu 0,35 por cento na segunda prévia de março, ante variação negativa de 0,11 por cento no mesmo período de fevereiro, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta segunda-feira.

REUTERS

19 de março de 2012 | 08h42

Dentre os subíndices que compõem o IGP-M, o Índice de Preços ao Produtor Amplo-Mercado (IPA-M) teve alta de 0,32 por cento na segunda prévia de março, ante deflação de 0,31 por cento em igual período de fevereiro.

No atacado, o grupo Bens Finais teve alta de 0,25 por cento, ante recuo de 0,28 por cento na segunda prévia de fevereiro. Nesse grupo destacou-se o item de alimentos processados, cuja queda passou de 1,96 para 0,43 por cento.

No segmento Bens Intermediários, houve elevação de 0,54 por cento, contra alta de 0,18 por cento na segunda apuração do mês passado. A principal contribuição para o avanço da taxa partiu do subgrupo suprimentos, que saiu de um recuo de 1,98 por cento para leve alta de 0,03 por cento.

O índice de Matérias-Primas Brutas subiu 0,12 por cento, após queda de 1,00 por cento no mesmo período de fevereiro. Entre os itens que mais influenciaram o movimento destacaram-se soja em grão (-0,62 para 4,34 por cento), aves (-6,76 para 4,48 por cento) e minério de ferro (-3,39 para -0,73 por cento).

O Índice de Preços ao Consumidor-Mercado (IPC-M) avançou 0,43 por cento, contra alta de 0,19 por cento.

No varejo, houve aceleração dos preços nos grupos Habitação (0,17 para 0,88 por cento), Alimentação (-0,06 para 0,35 por cento), Vestuário (-0,57 para 0,18 por cento) e Saúde e Cuidados Pessoais (0,35 para 0,52 por cento).

Desaceleraram os preços dos grupos Educação, Leitura e Recreação (1,27% para 0,31%), Despesas Diversas (0,43% para 0,06%), Comunicação (0,16% para -0,05%) e Transportes (0,22% para 0,21%).

O Índice Nacional de Custo da Construção-Mercado (INCC-M) registrou elevação de 0,29 por cento, frente a um acréscimo de 0,52 por cento na segunda apuração de fevereiro.

Na construção civil, o índice relativo a Materiais, Equipamentos e Serviços registrou alta de 0,50 por cento, após acréscimo de 0,41 por cento no segundo levantamento de fevereiro. O custo da Mão de Obra subiu 0,09 por cento na segunda prévia de março, após elevação de 0,64 por cento.

Além de medir a evolução do nível de preços, o IGP-M é utilizado como referência para a correção de valores de contratos, como os de energia elétrica e aluguel.

(Reportagem de Hélio Barboza e Natália Cacioli)

Tudo o que sabemos sobre:
MACROINFLACAOIGPMATUA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.