IGP-M cai para 0,5% e pode ficar abaixo de 6%

O Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) desacelerou para 0,5% em novembro, ante 0,53% no mês anterior. A informação foi divulgada ontem pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). O índice, usado para reajustar contratos de aluguel e tarifas de serviços, acumula alta de 5,22% neste ano, e de 5,95% em 12 meses.

FLAVIO LEONEL, O Estado de S.Paulo

30 de novembro de 2011 | 03h05

Com a divulgação do resultado, o coordenador de Análises Econômicas da FGV, Salomão Quadros, reiterou que são grandes as chances de o IGP-M encerrar este ano abaixo da marca de 6%.

Segundo Quadros, com o comportamento recente de desaceleração da taxa acumulada em 12 meses, a tendência é manter esse ritmo, salvo ocorra alguma interferência extraordinária capaz de mudar a trajetória do índice.

Se confirmada a estimativa de Quadros, o IGP-M atingiria uma taxa quase duas vezes menor que a de 2010, quando o acumulado bateu em 11,32% e foi o maior resultado anual desde 2004 (12,41%). "A chance de uma taxa abaixo de 6% é muito grande", disse Quadros, acrescentando que as condições internacionais e o desaquecimento da economia do País favorecem a continuidade de um ciclo de desaceleração na taxa de 12 meses no segundo semestre de 2011.

Desde julho de 2011, quando alcançou a marca de 8,36% ante os 8,65% de junho, o IGP-M iniciou um processo gradativo de desaceleração no acumulado de 12 meses. Na sequência, atingiu 8% até agosto; 7,46%, até setembro; e 6,95%, até outubro.

Em novembro, a desaceleração foi ainda mais forte, de 1 ponto porcentual, para o nível de 5,95%. "A taxa em 12 meses vem caindo sem parar e, agora, neste último mês, houve uma acelerada na queda."

Apesar de ficar levemente abaixo dos 0,53% de outubro, o resultado de novembro deste ano foi muito menor que o de novembro de 2010, quando houve avanço expressivo de 1,45%. "Em novembro do ano passado, a taxa foi a maior desde julho de 2008 (1,76%). Os preços estavam explodindo", lembra Quadros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.