IGP-M de 1,29% é o mais alto desde julho de 2004

Comida no atacado elevou índice em setembro, e deve fechar o ano em 5%

Márcia De Chiara, O Estadao de S.Paulo

28 de setembro de 2007 | 00h00

A inflação medida pelo Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) da Fundação Getúlio Vargas (FGV) atingiu 1,29% em setembro e apresentou a maior variação mensal desde julho de 2004, quando a alta havia sido de 1,31%. Apesar de os preços de alguns alimentos, como carne e leite, já estarem em desaceleração, a comida no atacado continuou sendo a vilã da inflação.Cerca de dois terços da variação do IGP-M deste mês vieram da alta dos preços agrícolas no atacado. Com variação acumulada em 12 meses até setembro de 5,67%, a perspectiva é de que o IGP-M feche o ano em 5%, e não mais em 4%, diz o coordenador de Análises Econômicas da FGV, Salomão Quadros.''''O pior efeito do choque agrícola já passou'''', afirma Quadros, reafirmando que a inflação atual é essencialmente de alimentos. Ele reforça a argumentação com números. O grupo bovinos no atacado, por exemplo, apresentou deflação de 0,13%, depois de ter aumentado 6,26% em agosto. O leite in natura no atacado subiu neste mês 6,62% ante uma alta de 10,62% em agosto. Em ambos os casos, o economista argumenta que os repasses do atacado para o varejo já ocorreram e não há uma defasagem de preços que possa pressionar a inflação no futuro.Esse raciocínio, no entanto, não é válido para o trigo e o arroz, observa Quadros. O trigo no atacado subiu 14,33% este mês, enquanto o pão francês ao consumidor teve deflação de 0,09%. O arroz no atacado subiu 8,75% este mês e 3,37% ao consumidor. ''''Esses dois produtos têm riscos de repasse de preços para o varejo'''', pondera o economista.Ele diz que os alimentos de origem animal, como carne e leite, estão em franca desaceleração, enquanto os de origem vegetal têm preços ascendentes. Esse é o caso da soja, que subiu 11,89% no atacado este mês, seguida pelo milho (17,17%).Os preços no atacado, que respondem por 60% do IGP-M, subiram 1,83% em setembro, ante 1,31% em agosto. Os produtos agrícolas aumentaram 5,57% este mês depois de terem subido 4% em agosto. Os produtos industriais no atacado tiveram elevação de 0,59%, ante 0,44% em agosto.A inflação no varejo, que responde por 30% do IGP-M, desacelerou. O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) subiu 0,21% ante 0,39% no mês passado. O Índice Nacional da Construção Civil (INCC), que representa 10% do indicador, teve ligeira alta, passando de 0,35% em agosto para 0,39% este mês.Para Quadros, os resultados não revelam um descontrole da inflação. Ele observa também que o fato de o resultado do IGP-M de setembro ser o maior desde julho de 2004 não é algo preocupante. O economista lembra que, naquele ano, as pressões de preços estavam disseminadas por todo o índice, o que não ocorre hoje. Atualmente, as pressões estão concentradas nos alimentos.Já para a LCA Consultores, o IGP-M de setembro ficou acima das projeções, puxada pela alta dos preços agrícolas no atacado. De acordo com a consultoria, a desaceleração observada nos alimentos no atacado ainda é incipiente.SERVIÇOSDe acordo com Quadros, nos resultados do IGP-M deste mês não há pressões de preços nos serviços livres, que seriam uma espécie de termômetro do desempenho da demanda. Tanto é que o grupo ''''despesas com saúde e cuidados pessoais'''', que engloba boa parte desses serviços, teve alta de apenas 0,16% no IPC deste mês, depois de ter subido 0,40% em agosto. Esse movimento também se repetiu nos gastos com educação, leitura e recreação, que aumentaram 0,28% este mês ante 0,31% em agosto.Quadros observa que os preços dos serviços administrados - como energia elétrica, que no ano apresentam deflação de 3,22%, e de outras tarifas -, com pequenas elevações neste ano, não devem ter o mesmo comportamento em 2008. ''''Os preços administrados podem voltar a ser os vilões da inflação no ano que vem'''', diz o economista.Ele explica que, como o IGP-M deve fechar este ano com variação em torno de 5% e o indicador é usado para reajustar uma série de tarifas, ele deve pressionar a inflação de 2008.Quadros também destaca que, em 2008, deverá ocorrer uma inversão, com os preços dos alimentos apresentando variações inferiores aos preços dos serviços administrados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.