IGP-M de maio tem maior queda desde 2011, diz FGV

O Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) de -0,13% em maio registrou a primeira deflação desde novembro de 2012, quando teve declínio de 0,03%. É a taxa mais baixa desde junho de 2011, quando o índice recuou 0,18%. A queda do indicador foi puxada pela deflação de 0,65% nos preços do atacado, a menor taxa desde julho de 2009 (-0,85%). As informações são do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio/Vargas (Ibre/FGV).

DENISE ABARCA, Agencia Estado

29 de maio de 2014 | 14h00

Contudo, o IGP-M não deve manter-se no terreno negativo em junho, diante da alta probabilidade de os preços no atacado reduzirem a deflação e até mesmo migrarem para o campo das altas, segundo avaliação feita pelo coordenador de Análises Econômicas da FGV, Salomão Quadros, em entrevista nesta manhã desta quinta-feira, 29, para comentar o indicador. "É pouco provável haver nova deflação do IPA (Índice de Preços ao Produtor Amplo) e menos ainda do IGP-M", disse. "Os fatores que produziram a deflação forte do IPA já estão se esgotando", complementou, citando o ajuste em baixa de preços agrícolas e a desvalorização do câmbio, que pesa sobre a composição de produtos industriais. Segundo Quadros, o processo de devolução dos impactos da alta provocada pela estiagem sobre os produtos agropecuários está se completando e o câmbio não deve ter espaço para maiores apreciações. "Nada indica que o câmbio terá nova onda de valorização e o ajuste do IPA Agro já se deu", disse.

Mas há um terceiro fator, os preços do minério de ferro, que são uma incógnita, e podem contrariar a previsão, disse Quadros. Os preços do minério recuaram 6,10% em maio, alinhados à queda nas cotações do mercado internacional, por sua vez, influenciada pela perspectiva de desaceleração da economia chinesa. "Esse fator não dá para dizer que já acabou porque tem a ver com a China, que está numa situação indecifrável", afirmou. "Por isso, não dá para descartar totalmente uma nova deflação do IPA, mas se houver será pequena e não deve manter o IGP-M negativo", disse.

A expectativa de migração do IGP-M para o campo positivo em junho tem por base, ainda, a esperada manutenção dos preços da construção civil. Ainda que tenha participação de apenas 10% no IGP, o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC), que avançou 1,37% em maio, deve continuar pressionado no próximo mês. "Ainda deve ficar acima de 1%", disse Quadros.

O INCC está reagindo a pressões sazonais relacionadas ao dissídio salarial dos trabalhadores da construção civil. Em maio, o grupo Mão de Obra teve alta de 2,20% no INCC, afetado pelo reajuste da categoria em São Paulo, que ficou em 7,3%, segundo Quadros. E no próximo mês a categoria em outras cidades também devem fechar seus reajustes.

Tudo o que sabemos sobre:
IGP-MFGVmaio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.