IGP-M desacelera e sobe 1,79% na 2ª leitura de julho

Recuo foi causado, principalmente, pelo avanço de preços menos intenso no setor da construção civil

Reuters e Agência Estado,

21 de julho de 2008 | 08h11

A inflação pelo Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M) desacelerou na segunda leitura de julho. O índice subiu 1,79% no período, ante alta de 1,83% no mesmo período de junho, informou a Fundação Getúlio Vargas (FGV) nesta segunda-feira, 21. A desaceleração foi causada, principalmente, pelo avanço de preços menos intenso no setor de construção civil.   Veja também: De olho na inflação, preço por preço Entenda os principais índices de inflação  Entenda a crise dos alimentos Entre os componentes do IGP-M, o Índice de Preços por Atacado (IPA) teve alta de 2,28% na segunda leitura de julho, ante avanço de 2,05% no mesmo período de junho. O IPA representa 60% do total do IGP-M.   O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) subiu 0,54%, depois de avançar 0,78% na segunda prévia de junho. O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) apresentou alta de 1,34%, seguindo a alta de 2,84% no mesmo período do mês passado.   De acordo com a FGV, a desaceleração na taxa do INCC foi influenciada por aumentos mais fracos de preços em materiais e serviços (de 1,80% para 1,55%); e em mão-de-obra (de 4,02% para 1,11%).   Já a desaceleração na taxa do IPC foi influenciada principalmente pela elevação de preço menos expressiva dos alimentos. O grupo Alimentação contou com quedas e desacelerações de preços em hortaliças e legumes (de 5,79% para -0,79%); panificados e biscoitos (de 2,62% para 0,61%); e arroz e feijão (de 8,53% para 4,99%).   Até a segunda prévia de julho, o IGP-M acumula elevações de 8,73% no ano e de 15,15% em 12 meses. O período de coleta de preços para cálculo da segunda prévia do IGP-M de julho foi do dia 21 de junho a 10 de julho.   Atacado   Até a segunda prévia de julho, os preços dos produtos agrícolas no atacado acumulam aumento de 12,50% no ano, e registram elevação de 40,44% em 12 meses. Já os preços dos produtos industriais no atacado registram aumentos acumulados de 9,70% no ano e de 12,72% em 12 meses, até a segunda prévia de julho.   No âmbito do Índice de Preços por Atacado segundo Estágios de Processamento (IPA-EP), que permite visualizar a transmissão de preços ao longo da cadeia produtiva, os preços das matérias-primas brutas registram alta de 15,41% no ano, e acumulam elevação de 41,55% em 12 meses, até a segunda prévia de julho.   Na análise da movimentação de preços entre os produtos no atacado, na segunda prévia do IGP-M de julho, as altas de preço mais expressivas foram registradas em soja em grão (10,08%); bovinos (7,46%); e milho em grão ( 12,43%). Já as mais significativas quedas de preço, no atacado, foram apuradas em arroz em casca (-5%); telefones celulares (-4,66%); e cana-de-açúcar ( -2,13%).

Tudo o que sabemos sobre:
InflaçãoIGP-M

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.