Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

IGP-M desacelera para 0,69% em novembro

A inflação medida pelo Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M) ficou em 0,69% em novembro, em comparação com a elevação de 1,05% apurada pelo mesmo indicador em outubro. O resultado ficou dentro das estimativas dos analistas do mercado financeiro ouvidos pela Agência Estado, que esperavam entre 0,56% e 0,76%.O Índice de Preços por Atacado (IPA) subiu 0,97%, ante elevação de 1,42% em outubro. O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) foi de 0,04% em novembro, ante 0,28% em outubro. Já o Índice Nacional da Construção Civil (INCC) avançou 0,48% em novembro, ante 0,49% em outubro. No ano, o IGP-M já subiu 5,89% e, nos últimos 12 meses, 6,23%. O coordenador de Análises Econômicas da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Salomão Quadros, atribuiu a desaceleração do IGP-M em novembro ao comportamento dos preços de algumas matérias-primas agropecuárias. Mas ele se mostra pouco otimista com os rumos dos preços desses produtos. Isso porque, segundo ele, já há sinais de que o preço do milho voltará a subir. E os aumentos nos preços das carnes já estão pressionando a inflação.Quadros também vê pressão dos combustíveis sobre o IGP-M em dezembro. Segundo ele, o álcool hidratado, o vendido nos postos, subiu 3,51% na média dos últimos 30 dias no atacado, segundo pesquisa de preços do IGP-M de novembro. "Como se trata de média, acredito que muito dos aumentos do álcool ainda não foi capturado. Acho que esse aumento de 3,51% é apenas o começo."

Alessandra Saraiva e Francisco Carlos de Assis, O Estadao de S.Paulo

30 de novembro de 2007 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.