IGP-M fica em 0,20% na primeira prévia de janeiro

O Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) ficou em 0,20% em sua primeira prévia de janeiro, segundo informou a Fundação Getúlio Vargas (FGV) - abaixo do resultado de dezembro, quando a primeira prévia do mesmo indicador foi de 0,62%. O resultado ficou ainda abaixo das estimativas dos analistas do mercado financeiro ouvidos pela Agência Estado (entre 0,25% e 0,47%). A média de estimativas era de 0,34%.A FGV informou ainda os desempenhos dos três indicadores que compõem asegunda prévia do IGP-M. O Índice de Preços por Atacado (IPA) ficou em 0,13% na primeira prévia de janeiro, ante 0,74% apurado em igual período em dezembro. No atacado, a prévia dos preços dos produtos agrícolas é de alta de 0,03% em janeiro, ante 1,03% registrada na primeira prévia do indicador em dezembro; e para os preços dos produtos industriais é de 0,16%, ante 0,64% em igual prévia do índice em dezembro.No IPA segundo estágios de processamento (IPA-EP), nova estrutura deapresentação divulgada pela primeira vez em novembro, que permite visualizar a transmissão de preços ao longo da cadeia produtiva, os preços dos Bens Finais subiram 0,18%, ante 0,57% em dezembro; os preços dos Bens Intermediários subiram 0,51%, ante aumento de 0,59% em igual prévia no mês passado; e os preços das Matérias-Primas Brutas tiveram queda de 0,46%, ante alta de 1,24% registrada em dezembro.No varejo, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) ficou em 0,37%, ante alta de 0,30% apurada na primeira prévia do IGP-M de dezembro. Já o Índice Nacional do Custo da Construção (INCC) ficou em 0,27%, ante elevação de 0,55% em dezembro. No período de um ano, o IGP-M acumula elevação de 12,29%. O período da coleta de preços da primeira prévia do IGP-M vai do dia 21 e 30 de dezembro. Os sete grupos avaliados apresentaram alta na primeira prévia do IGP-M. O grupo Alimentação passou de uma previsão de queda de 0,27% na primeira prévia de dezembro para alta 0,07% em janeiro; Habitação passou de 0,29% para 0,23%; Vestuário, de 0,91% para 1,00%; Saúde, de 0,19% para 0,12; Educação, de 0,07% para 0,27%; Transportes, de 1,47% para 1,34% e Despesas Diversas, de 0,84% para 0,56%. As maiores influências para a alta do índice foram a gasolina, que registrou previsão de aumento de 2,99% na primeira prévia de janeiro, ante 2,1% em igual período no mês anterior; o cigarro, com alta de 2,48% ante 3,55% em dezembro, e os planos e seguros de saúde, com a mesma alta (0,93%) que havia sido registrada na primeira prévia de dezembro.As maiores influências negativas foram o limão, que caiu 22,21% na primeira prévia de janeiro, ante alta de 6,61 em igual período anterior; a batata inglesa, que caiu 5,97%, ante queda de 4,5% registrada na primeira prévia de dezembro e a manga, queda de 7.92% ante alta de 2,38% no período anterior.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.