IGP-M fica em 0,25% na primeira prévia de outubro

A primeira prévia do Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) de outubro teve alta de 0,25%, ante taxa negativa de 0,56% apurada em igual prévia em setembro, segundo informou a Fundação Getúlio Vargas (FGV). Foi a primeira taxa positiva nesse indicador após cinco deflações consecutivas. O resultado anunciado hoje pela FGV ficou dentro das estimativas dos analistas do mercado financeiro ouvidos pela Agência Estado, que esperavam uma taxa entre -0,02% a +0,30%, e acima da média das expectativas (0,12%). A FGV informou ainda os resultados dos três indicadores que compõem a primeira prévia do IGP-M de outubro. O Índice de Preços por Atacado (IPA), que representa 60% do IGP-M, registrou aumento de 0,25%, ante deflação de 0,73% apurada na primeira prévia de setembro. Por sua vez, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC), que tem participação de 30% no total do IGP-M, apresentou elevação de 0,29% ante queda de 0,30% em igual prévia em setembro. Já o Índice Nacional do Custo da Construção (INCC), que representa 10% do IGP-M, registrou alta de 0,22% ante taxa negativa de 0,04% apurada na primeira prévia em setembro. Até a primeira prévia de outubro, o IGP-M acumula aumentos de 0,46% no ano; e de 2,03% em 12 meses.Produtos agrícolasOs preços dos produtos agrícolas no atacado caíram 1,30% na primeira prévia do IGP-M de outubro, ante queda de 2,87% apurada em igual prévia em setembro. Segundo a FGV, os preços dos produtos industriais no atacado registraram alta de 0,74% na prévia de outubro, ante deflação de 0,03% apurada na primeira prévia de setembro. Dentro do Índice de Preços por Atacado segundo Estágios de Processamento (IPA-EP), que permite visualizar a transmissão de preços ao longo da cadeia produtiva, os preços dos bens finais subiram 0,22% ante deflação de 1,18% apurada em igual prévia em setembro. Por sua vez, os preços dos bens intermediários registraram alta de 0,88% ante taxa negativa de 0,06% apurada na primeira prévia do IGP-M de setembro. Já os preços das matérias-primas brutas no atacado tiveram queda de 0,97% na prévia de outubro, ante deflação de 1,45% apurada na primeira prévia do IGP-M de setembro. Maior resultado desde abrilA primeira prévia do IGP-M de outubro, que subiu 0,25%, foi o maior resultado nesse tipo de indicador desde abril desse ano, quando a prévia do IGP-M subiu 0,67%. A informação é baseada em tabela contendo a série histórica do indicador, fornecida pela FGV em divulgações anteriores. Pela mesma tabela é possível notar que a primeira prévia de outubro do IPA, que ficou em +0,25%, também foi o maior resultado nesse tipo de indicador desde abril, quando a prévia do IPA subiu 0,81%. Por sua vez, o IPC, que ficou em +0,29% na prévia de outubro, foi o maior resultado nesse tipo de indicador desde maio desse ano, quando o IPC subiu 0,72%. Já o INCC, que subiu 0,22% na prévia de outubro, é a maior taxa desde julho desse ano, quando o INCC subiu 0,58%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.