IGP-M fica em 0,62% na 2ª prévia de agosto

A segunda prévia do Índice Geral de Preços Mercado (IGP-M) ficou em 0,62% em agosto, segundo informou hoje a Fundação Getúlio Vargas (FGV). Em julho, a segunda prévia do mesmo indicador ficou em 1,11%. O resultado ficou perto do teto das previsões dos analistas do mercado financeiro ouvidos pela Agência Estado (entre 0,40% a 0,65%). A FGV divulgou ainda o resultado dos indicadores que compõem o IGP-M. O Índice de Preços por Atacado (IPA) ficou em 0,60%, ante taxa de 1,28% na segunda prévia do mesmo indicador de julho. Por sua vez, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) apresentou a mesma variação do IPA, e também atingiu alta de 0,60% em agosto - em relação aos 0,65% apurados na segunda prévia do mesmo indicador, no mês passado. Já o Índice Nacional do Custo da Construção (INCC) ficou em 0,81% em agosto, ante os 1,15% observados no mesmo indicador, em julho. No ano, a inflação medida pelo IGP-M acumula alta de 8,84%. Em 12 meses, o IGP-M tem elevação de 11,78%.Mais uma vez, o recuo de preços no grupo Transportes (de alta de 1,92% para taxa de 0,66%, de julho para agosto) foi o maior entre os segmentos que compõem a inflação do varejo, na segunda prévia do IGP-M de agosto. O fenômeno já tinha ocorrido na divulgação do IGP-10 de agosto, anunciado ontem pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Além de Transportes, houve desaceleração de preços somente no grupo Vestuário (de 0,75% para queda de 0,39%), de julho para agosto. Os outros grupos apresentaram aceleração de preços, da segunda prévia do IGP-M de julho para a segunda prévia do indicador deste mês. É o caso de Alimentação (de 0,32% para 0,74%); Habitação (de 0,70% para 0,78%); Saúde e Cuidados Pessoais (de 0,27% para 0,35%); Educação, Leitura e Recreação (de 0,54% para 0,56%) e Despesas Diversas (de 0,12% para 0,18%). Por produtos, as altas mais expressivas de preços foram observadas em tarifa de eletricidade residencial (2,49%); tomate (20%); tarifa de telefone residencial assinatura e pulsos (1,81%) e batata inglesa (12,77%). Já as mais significativas quedas foram apuradas em manga (-29,73%); cenoura (-8,25%); alface (-6,10%); e feijão carioquinha (-6,20%). Por sua vez, no âmbito do INCC, que abrange o setor da Construção Civil, houve recuo de preços nos segmentos de Materiais e Serviços (de 1,22% para 1,20%); e no de Mão-de-Obra (de 1,08% para 0,37%). As informações constam de comunicado à imprensa, anunciado pela FGV, com o detalhamento da segunda prévia do IGP-M deste mês.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.