IGP-M fica em 0,66% na 1ª prévia de junho

A primeira prévia de junho do Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) ficou em 0,66%, segundo informou a Fundação Getúlio Vargas (FGV). O resultado ficou dentro das previsões dos analistas ouvidos pela Agência Estado (entre 0,39% e 0,75%). Em maio, a primeira prévia do IGP-M daquele mês foi de 0,42%. Por sua vez, o Índice de Preços Por Atacado (IPA) ficou em 0,73% na primeira prévia de junho. No mês passado, a primeira prévia do indicador foi de 0,47%. Já a primeira prévia de junho do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) ficou em 0,48%; ante os 0,29% registrados na primeira prévia de maio deste indicador.O Índice Nacional do Custo da Construção (INCC) ficou em 0,63% na primeira prévia de junho, em comparação com os 0,49% registrados em igual período em maio. Segundo a FGV, o IGP-M acumula altas de 6,03% no ano; e de 8,84% em 12 meses.AtacadoOs produtos agrícolas no atacado subiram 1,70% na primeira prévia do IGP-M de junho. Segundo a FGV, neste segmento, os produtos industriais subiram 0,37%. Ainda no atacado, a FGV informa que houve alta de 0,93% nos bens de consumo; e elevação de 0,63% nos bens de produção. Por produtos, as mais expressivas altas dentro do IPA, na primeira prévia de junho, foram registradas nos preços de ovos (13,64%); café em coco (10,40%) e leite in natura (3,55%).Alimentação Os preços dos produtos do grupo Alimentação voltaram a pressionar o varejo na primeira prévia do IGP-M de junho. Segundo a Fundação Getúlio Vargas (FGV) o grupo Alimentação no varejo passou de queda de 0,05% para elevação de 0,66%, da primeira prévia de maio para a primeira prévia de junho. Além de Alimentação, mais dois grupos apresentaram aceleração de preços no mesmo período, dentro dos sete grupos que compõem o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) - que ficou em 0,48% na primeira prévia de junho. É o caso de Vestuário (que passou de 0,69% para 1,32%); e Transportes (de -0,24% para 0,31%). Porém os outros quatro grupos apresentaram desaceleração de preços, no mesmo período, como Habitação (de 0,48% para 0,40%); Saúde e Cuidados Pessoais (de 0,89% para 0,67%); Educação, Leitura e Recreação (de 0,30% para -0,19%); e Despesas Diversas (de 0,42% para 0,27%). A FGV informou ainda que, no âmbito do Índice Nacional do Custo da Construção (INCC), houve aceleração no segmento de materiais e serviços, que passou de 0,93% para 1,19% da primeira prévia de maio para a primeira prévia de junho. Não houve variações de preços no segmento de mão-de-obra, também inserido dentro do cálculo do INCC.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.