Wilton Junior/Estadão - 28/1/2020
Plataforma da Petrobrás no Rio: petróleo subiu quase 30% no ano. Wilton Junior/Estadão - 28/1/2020

IGP-M: inflação do aluguel pode ficar acima de dois dígitos pelo segundo ano seguido

Risco cresce com a desvalorização do real e a expectativa de demanda firme de commodities em meio à recuperação da economia global; indicador chegou a 28,94% no acumulado de 12 meses até fevereiro

Thaís Barcellos e Gregory Prudenciano, O Estado de S.Paulo

05 de março de 2021 | 15h44

Com a desvalorização do real e a expectativa de demanda firme de commodities em meio à recuperação da economia global, tem crescido o risco de o Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) de 2021 tornar-se o segundo consecutivo acima dos dois dígitos, segundo economistas. O IGP-M também é conhecido como “inflação do aluguel”, por ser muito usado no reajuste de contratos. Em 2020, o indicador subiu 23,14%, o maior aumento desde 2002 (25,31%). Até fevereiro, o índice soma 28,94% em 12 meses.

Essa nova avalanche de custos deve chegar ao varejo e está por trás das contínuas revisões para a inflação oficial do ano, que, no Boletim Focus, do Banco Central, já está em 3,87% (acima do centro da meta perseguida pelo BC, de 3,75%). No Focus, o IGP-M (que mede principalmente o desempenho dos preços no atacado) sobe há oito semanas seguidas, passando, no relatório divulgado na segunda-feira, 1, de 8,02% para 8,88%. Há um mês, estava em 6,57%. Contribuem para esse movimento o câmbio mais depreciado, agora rodando próximo de R$ 5,70, e a sustentação dos preços de commodities, como o petróleo, que já subiu quase 30% no ano.

A moeda reage às incertezas fiscais e políticas no Brasil, além de, mais recentemente, a um receio de uma possível ação antecipada de redução de estímulos monetários nos Estados Unidos. Já as commodities, de maneira geral, têm ganhos com a perspectiva de recuperação global mais forte, seja pelo avanço da vacinação, seja pela manutenção de estímulos fiscais no mundo.

“De fato, nesse começo de ano surpreendeu a todos a retomada das altas das commodities e do câmbio, levando a resultados dos IGPs acima das previsões iniciais e a rodadas de revisões para cima das projeções do ano. Há, sim, risco de termos novamente o IGP-M em dois dígitos. Nossa projeção para o ano já está em torno de 9,5%”, reconhece a economista Basiliki Litvac, especialista em inflação da MCM Consultores.

Na GO Associados, o economista Alexandre Lohmann, um dos primeiros a alertar sobre a escalada de preços no atacado em 2020, já projeta 15% de alta para o IGP-M este ano, mas avisa que esse é um cenário conservador e que há risco de a taxa chegar de novo ao patamar de 20%. Ele explica que a projeção atual considera um valor mensal de longo prazo para o IGP-M no segundo semestre, de 0,50%, mas alerta que taxas nesse nível não são vistas desde maio de 2020 (0,28%). “Então, tem muita margem para ser mais que 15%.”

Mesmo em um contexto de apreciação do real ao longo do ano, Lohmann observa que tem de ser superior ao ganho nos preços internacionais de commodities. E, ainda que a valorização da moeda compense o movimento nos preços dos produtos básicos, o economista argumenta que o aumento contratado em matérias-primas brutas no início do ano deve continuar tendo repercussão ao longo da cadeia.

Sobre o cenário de commodities, Lohmann diz achar muito provável que o petróleo siga em alta, diante da recuperação global e da baixa produção. O milho tem estoque baixo nos EUA e pode enfrentar problemas climáticos, assim como a soja. O preço do minério de ferro deve ceder, mas depende de uma sinalização mais firme de desaceleração da economia chinesa.

O economista Fabio Romão, da LCA Consultores, está na ponta mais otimista. Ele reconhece que a pressão de câmbio e commodities, especialmente de combustíveis neste momento, está maior do que a esperada, e por isso revisou recentemente a projeção para o IGP-M do ano de 6,0% para 7,20%. Mas acha cedo para falar em alta de dois dígitos. O seu cenário considera que o indicador deve ficar acima de 10% até outubro (11,1%).

Em sua visão, a projeção já é conservadora porque considera que, após ficarem quase 50% (49,45%) mais caros no ano passado, os produtos agropecuários só devem cair 3,39% em 2021, algo inédito.

“Normalmente, a devolução não é total, mas é evidente. Isso praticamente não vai acontecer, sobretudo pela demanda firme global ligada à superação, ainda que gradual, da pandemia, e apesar da recorde de grãos e de uma leve apreciação do câmbio que a LCA projeta (R$ 4,80 no fim de 2021).”

A devolução “modesta”, por sua vez, deve começar a se materializar no segundo trimestre, com a confirmação da safra recorde em culturas importantes, diz o economista. Para os itens industriais, a perspectiva é de nova alta, de 12,42%, na esteira do aumento de 25,3% do ano passado, mas amenizada pela esperada apreciação cambial.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

IGP-M: vale a pena manter o índice para correção de contratos?

Discussão foi retomada depois da recente disparada do índice, que, no acumulado dos 12 meses encerrados em fevereiro, chegou a 28,94%, sua maior alta desde maio de 2003

Francisco Carlos de Assis, O Estado de S.Paulo

05 de março de 2021 | 16h00

O Índice Geral de Preços ao Mercado (IGP-M) voltou a ser colocado na berlinda e apontado por setores da economia e economistas como um péssimo indexador de contratos, especialmente de aluguel e alguns serviços. A discussão voltou à baila depois da disparada recente do índice. No acumulado dos 12 meses encerrados em fevereiro, o IGP-M bateu em 28,94%, sua maior alta desde maio de 2003, quando fechou em 31,53%. Mas, no mês anterior, já tinha acumulado em 12 meses alta de 21,71% enquanto o IPCA subiu 4,56% no mesmo período.

As críticas feitas à utilização do IGP-M para reajustes de contatos concentram-se especialmente no fato de sua ponderação dar peso maior, de 60%, para matérias-primas cujos preços são formados no mercado internacional de commodities, cotadas em dólar. Entendem os críticos que o IGP-M acaba por se apresentar como um eficiente canal para importação de inflação externa que nada tem a ver com os custos dos contratos que ele reajusta.

O exemplo mais citado são os contratos de locação de imóveis comerciais e residenciais reajustados pelo indicador da Fundação Getúlio Vargas (FGV). A pergunta que vem logo em seguida do exemplo é sobre que relação tem o preço aluguel com um eventual reajuste do preço do minério de ferro ou da soja no mercado internacional, só para dar dois exemplos, ou com a desvalorização cambial em um determinado momento ou outro.

A favor do IGP-M pesa apenas o seu calendário de divulgação, que permite a publicação do índice dentro do próprio mês de referência, enquanto o IPCA, do IBGE, só se torna conhecido após decorrida mais da metade da primeira quinzena do mês subsequente. O IPCA de fevereiro, para se ter uma ideia, será divulgado apenas no dia 10 de março.

Esse atraso na divulgação do IPCA para além do seu mês de referência é o que justifica, em parte, a insistência na utilização do IGP-M como indexador de contratos, avalia o economista e professor da FEA-USP e ex-coordenador do IPC-Fipe, Heron do Carmo.

O problema maior do IGP-M, de acordo com o presidente do Conselho de Economia e Política da FecomercioSP, Antônio Lanzana, é a sua ponderação, que continua a mesma desde o lançamento do primeiro IGP, em 1947, e imprime muita volatilidade ao índice. O IGP-M dá peso de 60% para os preços no atacado (IPA), de 30% para os preços ao consumidor (IPC) e de 10% para a construção civil (INCC).

“O IGP-M não reflete a realidade atual da economia brasileira porque carrega um peso muito grande do câmbio e das commodities, que com a retomada da economia da China, voltaram a disparar”, diz Lanzana. “E não estamos falando isso agora só porque o IGP-M disparou. Estamos nesta luta desde 1980. Até porque, quando ele registrou deflação, também não refletiu a realidade da economia brasileira.”

Heron também destaca o que chama de peso excessivo às matérias-primas. “Essa ponderação faz com que o IGP-M seja muito suscetível às variações de commodities no mercado internacional e à taxa de câmbio. Acaba por importar inflação de commodities cujo mercado é naturalmente muito volátil”, diz.

Coordenador do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) da FGV, o economista André Braz diz não ver nenhum problema em usar o IGP como indexador. Mas, de acordo com ele, é preciso saber o que está sendo indexado, o que precisa ser corrigido. “Contrato de aluguel não era para ser indexado em IGP”, diz o próprio economista da FGV.

Ele lembra que, de 1989, quando foi lançado o IGP-M, até junho de 1994, último mês antes do lançamento do Plano Real, o IGP-M e o IPCA “andavam de mãos dadas, com suas taxas de 12 meses mostrando a mesma coisa”.

“Era uma curva ascendente e uma colada na outra. Não dava nem para saber que parte da curva pertencia ao IPCA e qual pertencia ao IGP. Então, aquilo mostrava que na hiperinflação era tudo indexado e qualquer índice de preço que fosse usado daria praticamente o mesmo resultado”, disse Braz, reforçando que o IGP-M sempre teve a vantagem de ser divulgado no penúltimo dia útil de cada mês, o que a FGV continua fazendo até hoje.

Para o economista-chefe da Necton Investimentos, André Perfeito, a insistência em se utilizar o IGP-M nos contratos revela muito do que é o povo brasileiro. “É uma forma de os donos de ativos dolarizarem seus bens. Não se aceita menos que o dólar para retorno de seus negócios. A verdade é que matamos o dragão da inflação, mas ficamos brincando com ossos no jardim”, critica.

Perfeito concorda com seu colega da FGV de que, quando o Brasil tinha uma inflação alta, as pessoas não ligavam muito para o indicador que era usado para reajustar seus contratos. Mas hoje, com inflação baixa, diz ele, a utilização do IGP-M gera um constrangimento para a vida das pessoas, porque acaba inserindo um impacto de dólar muito forte em questões que não têm a ver com o câmbio, como os contratos de aluguel, planos de saúde e mensalidades escolares.

“Os donos de ativos acabam sendo remunerados de uma forma descabida, que não tem nada a ver com a dinâmica da economia no Brasil. É um tipo de mentalidade que não cabe mais num período de inflação sob controle”, diz Perfeito. Segundo ele, o Plano Real derrubou a inflação, mas a alma do brasileiro não foi ainda desindexada.

“Isso tem a ver com o tipo de relação social muito específica que tenta apaziguar conflitos através da indexação”, explica. Evita-se a discussão apresentando um negócio pronto. “Tudo isso revela a mentalidade inflacionária do brasileiro, apesar de a inflação ter morrido há 20 anos”, disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.