IGP-M sobe 9,81% em 2008, a maior taxa em quatro anos

Índice, utilizado para reajustar contratos de aluguel, ainda registrou deflação de 0,13% em dezembro

Reuters,

29 Dezembro 2008 | 08h09

O índice de inflação utilizado nos reajustes de contratos de aluguel e de algumas tarifas públicas encerrou o ano com alta de quase 10%, apesar de ter registrado deflação em dezembro, mostraram dados divulgados nesta segunda-feira, 29.   Veja também: Radar da inflação   O Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M), apurado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), registrou em 2008 uma alta de 9,81%, bem acima dos 7,75% registrados no ano passado. Em dezembro, o índice teve deflação de 0,13%, seguindo a alta de 0,38% apurada em novembro.   A queda do indicador este mês reflete o forte recuo dos preços no atacado, que respondem por 60% da variação do IGP-M. O Índice de Preços por Atacado (IPA) caiu 0,42% em dezembro, depois de ter subido 0,30% no mês anterior. A queda mais acentuada foi nos preços dos produtos industriais.   O IPA agrícola caiu 0,28% em dezembro, seguindo o recuo de 0,96% em novembro. No caso das indústrias, a queda este mês foi de 0,48%, revertendo o movimento apurado no mês anterior, quando o IPA do setor subiu 0,75%.   Na outra ponta, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) registrou alta de 0,58% em dezembro, levemente acima do apurado em novembro, quando os preços subiram 0,52%. Cinco das sete classes de despesa componentes do índice apresentaram acréscimos em suas taxas de variação, informou a FGV. A principal contribuição partiu do grupo Transportes, que tiveram os preços elevados em 0,50%.   O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC), por sua vez, subiu 0,22%, uma desaceleração frente ao avanço de 0,65% apurado no mês anterior.   O IGP-M de dezembro foi calculado com base na variação dos preços entre os dias 21 de novembro e 20 de dezembro. No ano, os preços no atacado subiram 10,84%, enquanto o índice dos consumidores avançou 6,07% e o INCC teve alta de 12%.

Mais conteúdo sobre:
IGP-M Inflação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.