IGP-M sobe forte, mas fica em linha com previsões

A inflação pelo Índice Geral dePreços do Mercado (IGP-M) mais do que quadruplicou na segundaleitura de maio, em linha com o esperado, devido sobretudo auma pressão no atacado que reflete as elevadas cotações decommodities, informou a Fundação Getúlio Vargas (FGV) nestaterça-feira. Além da pressão externa, o indicador começou a captartambém o recente aumento dos combustíveis domésticos, sobretudodo diesel. No varejo, por outro lado, a inflação deu sinais dedesaceleração. O indicador subiu 1,54 por cento na segunda prévia destemês, ante elevação de 0,37 por cento em igual período de abril.Na primeira leitura de maio, a alta foi de 1,36 por cento. Economistas consultados pela Reuters previam uma taxa de1,51 por cento, segundo a mediana, com as estimativas variandode 1,47 a 1,60 por cento. Entre os componentes do IGP-M, o Índice de Preços porAtacado (IPA) teve avanço de 2,02 por cento na segunda leiturado mês, ante alta de 0,22 por cento em igual momento de abril. O IPA agrícola subiu 2,21 por cento, seguindo a queda de1,72 por cento na segunda leitura de abril. O IPA industrialteve aumento de 1,95 por cento, contra alta anterior de 0,98por cento. Os principais aumentos individuais de preços no atacadoforam de arroz em casca (+33,96 por cento), minério de ferro(+11,25 por cento), arroz beneficiado (+47,5 por cento), óleodiesel (5,02 por cento) e bovinos (+2,99 por cento). VAREJO DESACELERA Já o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) subiu em ritmomenor, em 0,47 por cento, depois de avançar 0,63 por cento nasegunda leitura de abril. O alívio veio da menor alta dos preços do grupoAlimentação, de 1,04 por cento agora ante 1,31 por cento nasegunda prévia de abril, e Habitação, que subiram apenas 0,01por cento contra elevação anterior de 0,39 por cento. As principais quedas individuais de preços no varejo foramde tarifa de energia elétrica, feijão carioquinha, bananaprata, laranja-pêra e tomate. O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) elevou-seem 0,82 por cento, após ter registrado variação positiva de0,75 por cento na segunda leitura do mês passado. A maiorpressão veio dos preços do aço. No ano, o IGP-M acumula alta de 4,67 por cento e nosúltimos 12 meses, de 11,45 por cento. (Reportagem de Vanessa Stelzer; Edição de Alberto AlerigiJr.)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.