EFE/Beto Barata
EFE/Beto Barata

IIF corta previsão para PIB do Brasil em 2017 e vê menos otimismo com políticas de Temer

Formado pelos 500 maiores bancos do mundo, o Instituto Internacional de Finanças reduziu de 1,5% para 1% a expansão da economia do País no ano que vem

Altamiro Silva Junior, correspondente, Broadcast

14 Dezembro 2016 | 14h54

NOVA YORK - O otimismo sobre a capacidade do governo brasileiro, encabeçado pelo presidente Michel Temer, de lançar políticas para estimular a economia se reduziu e a frágil situação política no Brasil pode afetar a recuperação da atividade em 2017, afirma o Instituto Internacional de Finanças (IIF), formado pelos 500 maiores bancos do mundo, com sede em Washington. 

O IIF cortou a projeção para o crescimento do Brasil em 2017, de expansão esperada em setembro de 1,5% para 1%. Mesmo com o corte, a previsão está acima da média do mercado financeiro brasileiro, que vê o Produto Interno Bruto (PIB) avançando 0,7% no ano que vem, de acordo com o Relatório de Mercado Focus, do Banco Central, da última segunda-feira. 

O cenário para o Brasil vai depender do cenário político interno e das políticas dos Estados Unidos adotadas por Donald Trump, ressalta o relatório do IIF. "Reduzimos nossas projeções de crescimento para o Brasil e a Argentina pois estamos menos otimistas que seus governos serão capazes de impulsionar as políticas necessárias para apoiar as recuperações após as contrações do PIB este ano", afirma o IIF. 

 

O IIF espera que o real continue se desvalorizando em 2017, com o dólar chegando a valer R$ 3,60 em dezembro. Já a Selic pode ter queda mais rápida, recuando para 12% no primeiro trimestre de 2017 e caindo para 10% na parte final do ano que vem. A inflação em 2017 pode cair abaixo de 5% e se aproximar do centro da meta do Banco Central, ficando em 4,7%, ressalta o relatório.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.