Francis Mascarenhas/Reuters
Francis Mascarenhas/Reuters

IIF corta projeção do PIB do Brasil para 1,1% com incerteza eleitoral

A crise vizinha na Argentina também foi apontada pelo Instituto Internacional de Finanças como motivo para redução da estimativa de crescimento do PIB brasileiro

Altamiro Silva Junior e Niviane Magalhães, O Estado de S.Paulo

04 Outubro 2018 | 14h20

O Instituto Internacional de Finanças (IIF), formado pelos 500 maiores bancos do mundo, com sede em Washington, cortou a projeção de crescimento do Produto Interno do Brasil em 2018, de 2,7%, previstos em relatório divulgado em abril, para 1,1%. Em 2019, a estimativa baixou de 2,8% para 2,2%. A elevada incerteza com as eleições e a crise na Argentina são os dois principais fatores que justificam o corte da estimativa, de acordo com relatório divulgado nesta quinta-feira, 4.

"A eleição muito disputada tem gerado dúvidas nos investidores sobre continuidade das reformas", afirma o chefe da área de análise da América Latina do IIF, Martín Castellano, no relatório. A crescente chance de um segundo turno polarizado, entre o candidato de esquerda Fernando Haddad (PT) e de direita, Jair Bolsonaro (PSL), contribui para aumentar ainda mais a incerteza sobre o cenário brasileiro para os próximos meses.

O IIF destaca que os temores dos agentes sobre as reformas, sobretudo a fiscal, aumentam quando se considera que o sistema político brasileiro é muito fragmentado, o amplo descontentamento com os partidos políticos mais tradicionais e uma economia enfraquecida. Se houver continuidade de política, o PIB deve se acelerar em 2019, ressalta o documento.

Não se pode descartar um cenário em que o próximo presidente seja incapaz de implementar as reformas, sobretudo as mais impopulares, como a da Previdência, alerta o IIF. O fracasso em estabilizar a expansão da dívida pública pode rapidamente deteriorar a confiança de investidores, empresários e consumidores e levar a alta de juros, prejudicando o crescimento.

Pelo lado positivo, o IIF destaca que o Brasil tem inflação sob controle, baixo déficit na conta corrente e patamar pequeno de dívida do governo em moeda estrangeira, além de elevado volume de reservas internacionais. "A fragilidade das contas públicas fornece espaço limitado para escorregões na política econômica e é o principal risco para o cenário", afirma Castellano no relatório.

Guerra comercial ameaça crescimento global

O maior risco à perspectiva de crescimento global é a escalada das tensões comerciais entre os EUA e a China, também apontou o Instituto para Finanças Internacionais (IIF, na sigla em inglês), em seu relatório.

No entanto, foram os ventos contrários provenientes de emergentes que levaram o IIF a reduzir a perspectiva de crescimento em 2018 em relação às estimativas feitas em abril. "Os mercados emergentes estão sofrendo vários choques, entre eles, os aumentos das taxas de juros globais, tensões comerciais e episódios de estresse na Argentina e na Turquia", destacou o Instituto.

Diante disso, a previsão de crescimento global para 2018 diminuiu em 0,3 ponto porcentual, para 3,2%. Para 2019, a estimativa é de 3,1%, 0,3 p.p abaixo da previsão de abril.

Enquanto a previsão de crescimento dos Estados Unidos em 2018 permaneceu inalterada em 2,9%, "nós rebaixamos nossas projeções para a zona do euro para 2,1% (-0,4 p.p) e no Japão para 1,2% (-0,2 p,.p.)". "A dessincronização do crescimento global aprofundou-se desde abril".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.