DIDA SAMPAIO/ESTADÃO
DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

Ilan diz que pretende reduzir meta de inflação após 2018

Presidente do BC também destacou que quer zerar o estoque de swap cambial - instrumento usado para conter a volatilidade do dólar - e que Temer prepara MP para dar autonomia à autoridade monetária

O Estado de S.Paulo

13 Julho 2016 | 08h24

O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, sinalizou em entrevista ao jornal britânico Financial Times o desejo de que a meta de inflação brasileira seja reduzida após 2018. Goldfajn também disse à publicação que uma de seus objetivo no cargo é reduzir o estoque de swaps cambiais do atual patamar - próximo de US$ 60 bilhões - para zero e contar mais com as reservas internacionais para oferecer confiança ao mercado de câmbio.

Ilan Goldfajn repetiu ao jornal britânico que a trajetória da inflação é descendente e convergir para a meta em 2017 está "completamente ao nosso alcance". Uma vez com a inflação em 4,5%, o presidente do BC defende que o Brasil deve considerar uma meta menor após 2018. Ao jornal, Goldfajn disse que não acredita que 4,5% seja a meta de equilíbrio de longo prazo para o Brasil.

Na entrevista, o presidente do BC também defendeu a alteração de algumas condições do mercado de câmbio. Goldfajn citou que um de seus objetivos à frente do BC é reduzir o estoque de swaps cambiais que atualmente estão em torno de US$ 60 bilhões para zero. Nessa estratégia, o economista defende que o Brasil conte mais com as reservas internacionais de US$ 370 bilhões para oferecer confiança aos mercados.

Goldfajn disse que é "saudável" reduzir o estoque de swaps cambiais e argumentou que o uso desse instrumento gera a percepção de maior vulnerabilidade à depreciação cambial e também a sensação de que o Banco Central intervém muito no mercado. "Eu acho que é saudável que você mantenha apenas as reservas no balanço", disse ao FT.

O presidente do BC também afirmou ao FT que o governo do presidente interino Michel Temer prepara uma emenda constitucional para dar "autonomia operacional" à instituição. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.