José Álvarez Díaz | EFE
José Álvarez Díaz | EFE

Imagem de protecionista do Brasil é ‘folclore’, afirma Serra

Segundo ministro das Relações Exteriores, País sofre com práticas adotadas por outros países, como subsídios

Cláudia Trevisan e Fernando Nakagawa ENVIADOS ESPECIAIS HANGZHOU, CHINA, O Estado de S.Paulo

04 de setembro de 2016 | 21h25

A análise de que a economia brasileira é muito fechada ao comércio exterior é “folclore”. A avaliação é do ministro das Relações Exteriores, José Serra, e foi feita ao criticar países que pregam a abertura comercial, mas mantêm políticas protecionistas. O chanceler classificou como “furados” dados que mostram que o Brasil é o País que mais adota barreiras comerciais do mundo.

“Não dou aula há muito tempo, mas estudei bastante e tenho uma formação razoável. O Brasil não é uma economia fechada mais do que a média mundial, apesar do folclore. Isso é folclore”, disse Serra, em entrevista após o primeiro dia da reunião de cúpula das 20 maiores economias do mundo, o G-20. A crítica de Serra acontece em meio ao debate do G-20 da chamada “escalada tarifária” – situação em que países impõem taxas de importação crescente conforme a complexidade do item adquirido.

A soja e o café – dois itens da pauta brasileira – são exemplos desse fenômeno. Muitos países adotam taxas crescentes de importação à medida que aumenta a complexidade da mercadoria adquirida: a alíquota é baixa quando se compra o grão da soja ou do café e sobe à medida que avança a sofisticação do produto. Assim, o imposto aumenta para o café moído e sobe mais para o produto solúvel.

O argumento do governo brasileiro é que esse tipo de estratégia empobrece a pauta exportadora de países como o Brasil. Ou seja, o País passa a vender cada vez mais produtos básicos. “O comércio não é apenas vender e gerar emprego. Se está acontecendo no Brasil um processo de ‘primarização’ das exportações, me pareceu adequado apresentar esse problema e explicar quais são seus mecanismos, porque não é uma questão tão obvia”, disse Serra.

Ao ser questionado sobre a reclamação do Brasil ao mesmo tempo em economistas citam o Brasil como exemplo de economia fechada, Serra disse que essa avaliação é “folclore”. Sobre rankings que colocam o Brasil como uma das economias com mais barreiras comerciais no mundo, o ministro rebateu ao dizer que “são dados furados”.

Distorções. O ministro das Relações Exteriores argumentou que esse tipo de ranking – que normalmente avalia o peso do comércio exterior no Produto Interno Bruto – não captura distorções como os subsídios. Um dos exemplos citados por Serra é a produção de maçãs na Noruega, que receberia cerca de 80% de subsidio.

A Noruega não faz parte do G-20. Questionado sobre quais países do grupo adotam esse tipo de prática, Serra não quis mencionar exemplos.

Após o debate no G-20, o ministro defende que a tarifa ponderada parece mais adequada para avaliar a abertura comercial dos países. Nesse caso, é preciso volume arrecadado com tarifas com imposto de importação e dividir pelo total de importações. “Aí, você vai ver que o Brasil não tem essa posição que afirmam”, disse. “Não sou contrário que abramos a economia. Eu sou a favor da reciprocidade. Toma lá, dá cá”.

Nesse tabuleiro de negociação, o jogo de dependência recíproca entre fornecedores e compradores deve ser objeto permanente das conversas, defende o ministro. “Quero lembrar que a China é o principal mercado do Brasil e, ao mesmo tempo, o Brasil é o principal abastecedor da China. Metade da soja que a China importa vem do Brasil. Um depende do outro”, lembrou.

Apesar da grande dependência de importações brasileiras da soja e minério de ferro, a segunda maior economia do mundo não é encarada apenas como um grande comprador. “Nosso interesse pela China não é apenas comercial. É também pelos investimentos chineses”, disse, ao citar que o Brasil tem interesse em abocanhar parte dos capitais do país asiático que se espalham por investimentos ao redor do globo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.