IMC adia IPO por 60 dias devido à conjuntura desfavorável

Pedidos de reserva serão cancelados e investidores que fizeram o pagamento terão os valores devolvidos

Luana Pavani e Vinicius Pinheiro, da Agência Estado,

18 de dezembro de 2009 | 09h50

A International Meal Company, que atua com concessões do setor de varejo de alimentação e restaurantes,  solicita à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) interrupção do pedido de registro de oferta pública inicial (IPO, na sigla em inglês). A companhia é detentora de marcas como Viena, Frango Assado e Brunella.

 

A empresa alega que a atual conjuntura de mercado nacional e internacional é desfavorável à realização da oferta. No comunicado ao mercado publicado na imprensa nesta sexta-feira, 18, a IMC explica que mantém pedido de registro de companhia aberta, mas que os termos e condições da oferta estão sendo revistos.

 

Os pedidos de reserva realizados até o momento serão cancelados e caso os investidores tenham feito pagamento, os valores serão devolvidos sem juros ou correção em até três dias úteis, "sem reembolso e com dedução, se for o caso, dos valores relativos aos tributos incidentes", conforme o comunicado.

 

Na quinta-feira, 17, a IMC deveria ter definido o valor final para a oferta, com o encerramento do procedimento de bookbuilding (coleta de intenção de investimentos) previsto no cronograma. Conforme apurou a Agência Estado, a faixa indicativa de preço foi reduzida para R$ 11,00 a R$ 14,00, de um intervalo anterior entre R$ 14,00 a R$ 17,00 pretendido pela companhia.

 

A demanda estava fraca, de acordo com fontes de mercado, algumas das quais consideraram que a companhia ainda não estava pronta para abrir o capital, por ter pouco histórico.

 

A IMC pretendia emitir 50 milhões de ações na oferta primária e 7.142.857 na secundária, vendidas pelo FIP Brasil Empreendimentos, da gestora de private equity Advent. A estreia estava prevista para a próxima segunda-feira, dia 21, com o código "IMCH3".

 

Procurado, o Itaú BBA, coordenador líder da oferta, não comentou o assunto. Também participam da coordenação Credit Suisse, Santander, Bradesco BBI e Banco Votorantim.

Tudo o que sabemos sobre:
ofertaaçõesCVMIMCalimentos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.