Imec comprova recuperação da economia

O ritmo de atividade econômica iniciou este mês dando mostras de recuperação. Na primeira quadrissemana de junho, o Indicador de Movimentação Econômica (Imec/Fipe-Estadão) caiu apenas 1,05%, menos que o recuo registrado na última quadrissemana de maio, de 1,45%. Na primeira quadrissemana de junho, o indicador foi 2,93% maior que o registrado no mesmo período do ano passado. Na última quadrissemana de maio, o acréscimo havia sido de 2,27% na comparação anual.De acordo com a economista responsável pelo indicador, Zeina Latif, nos dados mais recentes, o Imec já mostrou crescimento na primeira semana de junho. "Esse é um bom resultado e indica que a queda registrada desde março foi interrompida", diz a economista. Ela pondera, no entanto, que a recuperação é lenta.Das oito variáveis que compõem o Imec, cinco fecharam a primeira quadrissemana de junho em queda e três tiveram crescimento. Zeina destaca, por exemplo, que, na última quadrissemana de maio, as consultas para venda a prazo (SCPC) e para negócios à vista (Telecheque) tinham recuado, em média, 4,15% e caíram apenas 1,03% na primeira quadrissemana deste mês. Nos dados mais recentes, o número de consultas ao SCPC e ao Telecheque é crescente.Além dos indicadores do comércio, a economista destaca a tendência de estabilidade no movimento do pedágio e a recuperação no consumo de energia elétrica que deve aparecer nos indicadores da segunda quadrissemana deste mês, de acordo com levantamento preliminar.De janeiro até a primeira quadrissemana de junho, o Imec já acumula crescimento de 5,15% neste ano. Na análise da economista, as iniciativas que o governo tem tomado, como redução dos compulsórios e taxas de juros, para ampliar o crédito, devem ter efeito positivo especialmente porque a economia está em ritmo de recuperação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.