Imóveis: volta da Caixa vai atrair outros bancos

O anúncio da liberação do empréstimo do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) para a Caixa Econômica Federal financiar imóveis para a classe média deve movimentar o mercado imobiliário. Estima-se que, a exemplo da Caixa, outros bancos voltem a financiar imóveis.O FAT vai emprestar à Caixa R$ 1 bilhão para financiamento de imóveis na planta, em construção pelo beneficiário ou novos, com até seis meses de habite-se. Imóveis na planta poderão ser 100% financiados; os demais, até 80% de seu valor.Para o diretor do Sindicato da Habitação de São Paulo (Secovi-SP), Celso Petrucci, e para o consultor técnico da Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip), José Pereira Gonçalves, a notícia sobre a volta da Caixa ao financiamento de imóveis em construção veio em boa hora. "A decisão do FAT terá um efeito muito positivo para o mercado imobiliário", diz Gonçalves.Assim como vários bancos - entre eles o Banco do Brasil e BCN - seguiram a Caixa quando esta deixou de financiar imóveis para a classe média, espera-se que o efeito seja semelhante agora e as instituições voltem a oferecer o serviço."A Caixa é uma espécie de reguladora do mercado. Quando deixou de operar esse tipo de financiamento em agosto, vários bancos fizeram o mesmo, e outros aumentaram as taxas de juros. Agora, tendo de concorrer com a Caixa, os bancos não poderão aplicar taxas tão altas", diz Petrucci. Segundo ele, um terço dos recursos de financiamento de imóveis em construção no País vem da Caixa.Outros bancosGonçalves, da Abecip, também aposta que, estimulados pela Caixa, os bancos voltarão a oferecer financiamentos. "Afinal, financiamento é uma operação boa para os bancos, porque possibilita a geração de outros negócios. Quem financia um imóvel pode se tornar cliente do banco, adquirir outros produtos e serviços e fazer outros investimentos. Emprestar é sempre um bom negócio", avalia. Ele diz, porém, que os bancos tenderão a procurar (como a Caixa fez) outras fontes de captação de recursos, uma vez que os recursos vindos das cadernetas de poupança não são suficientes.A Caixa anunciou que o público-alvo do novo tipo de financiamento serão famílias com renda mensal superior a 12 salários mínimos, ou R$ 2.160 - a renda mínima média exigida pelas instituições que ainda oferecem financiamento. As taxas de juros menores praticadas pela Caixa são as responsáveis pela grande procura pelos financiamentos. Afinal, muita gente deixa de entrar em financiamentos de imóveis porque não pode dar um grande valor de entrada ou não pode pagar juros muito altos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.