Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Impacto da greve na indústria já é R$ 77 milhões e deve aumentar, segundo Firjan

Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan) indica que 9 em cada 10 indústrias fluminenses foram afetadas pela greve dos caminhoneiros

Renata Batista, O Estado de S.Paulo

28 Maio 2018 | 17h04

RIO- Pesquisa realizada pela Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan) indica que 9 em cada 10 indústrias fluminenses foram afetadas pela greve dos caminhoneiros. O principal problema, que afetou 70% das empresas pesquisadas,  foi falta de insumos e 60% delas reduziram a produção. O impacto no PIB da indústria de transformação do estado, apenas na semana passada, é estimado pela área de pesquisa econômica da federação em R$ 77 milhões.

+ Medidas custarão R$ 10 bi e desconto no diesel chegará às bombas, diz Marun

"O que mais preocupa é que não há otimismo com o fim (dos impactos) da greve para essa semana. As empresas ainda sentem o risco de abastecimento", disse o vice-presidente da Firjan, Sergio Duarte. Ele estima que a regularização só ocorrerá em 15 dias.

Segundo ele, as empresas estão preocupadas com as receitas nesse fim de mês. De várias formas, mais da metade das empresas relataram problemas para o escoamento da produção e 32% delas estavam sem combustível.

+ Novo acordo de Temer com caminhoneiros terá edição de 3 MPs; veja medidas anunciadas

"A virada do mês, com entrada de recebíveis menor na indústria, pode ter efeito em cascata muito maior. As duplicatas continuarão vencendo", disse.

A Firjan ouviu 318 empresas, de todos os portes, que empregam 38 mil trabalhadores, entre os dias 25 e 26 de maio. Os setores mais afetados foram minerais não metálicos, moda e alimentos e bebidas.

Combustão tributária. O economista-chefe da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan), Guilherme Mercês, disse hoje que o Brasil vive momento de combustão tributária. Ele criticou a decisão do governo de reonerar permanentemente 46 atividades industriais, com aumento de R$ 9 bilhões na arrecadação, com a justificativa de dar cobrir uma perda de R$ 4 bilhões só até o fim de 2018 com a redução da Cide e do PIS/COFINS. 

"A contrapartida para reduçao do diesel tem que ser a reorganização das contas públicas. Teremos problema se cada setor for requisitar uma parcela do orçamento", disse, ao ser questionado sobre a decisão do governo de manter a desoneração do setor de transportes.

De acordo con Mercês, o setor industrial ainda  não avaliou o impacto de todas as medidas anunciadas pelo governo. Não há estimativas sobre que custo terá a nova tabela de fretes, outra reivindicação dos caminhoneiros aceita pelo governo. 

"Essa é uma discussão estrutural. O passado foi  de disputas entre os setores, mas precisamos evitar isso", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.