Impacto de ações da Petrobras é pequeno e Bovespa oscila

Dia na Bolsa de SP é volátil em meio à alta controlada nos papéis da Petrobras e o vencimento de opções

Agência Estado,

13 de junho de 2008 | 12h07

A Bolsa de Valores de São Paulo oscila nesta sexta-feira, 13, influenciada por movimentos distintos. O anúncio de mais uma descoberta de petróleo na área pré-sal, em águas ultraprofundas na Bacia de Santos, no poco de denominado de Guará, está fazendo pouco preço nas ações da Petrobras, que subiam quase 2%, enquanto o Ibovespa avançava 0,15% às 12h05, após ter registrado a máxima de +0,84% e a mínima de -0,61%, recuando para 66.906 pontos.  Veja também:Petrobras anuncia nova reserva no pré-salA exploração de petróleo no Brasil  Preço do petróleo em alta   A percepção é de um dia volátil no mercado de ações brasileiro em função dos vencimentos de opções sobre ações na próxima segunda-feira e de índice futuro na quarta-feira. Segundo analistas, o efeito moderado do anúncio da Petrobras se deve ao fato de que o mercado já vinha embutindo nos preços essa descoberta de petróleo. "Agora, só vai ter impacto relevante nos preços das ações quando a Petrobras definir o tamanho das reservas e começar a extração de óleo", segundo um operador. Os investidores estranharam também o fator de a descoberta ter sido anunciado pelo ministro do Trabalho, Carlos Lupi, e só depois ter sido confirmada pela Petrobras. "Dá a impressão que o governo está querendo desviar a atenção de alguma coisa", diz a fonte, mostrando o seu desconforto com o ocorrido. Analistas destacam ainda o fato de que o anúncio da descoberta ter acontecido às vésperas dos vencimentos de opções e índice da semana que vem. "Entre hoje e quarta-feira vai ser um tiroteio, a volatilidade será alta", prevê um analista. Além disso, a queda de quase 2% nos preços do petróleo no exterior, diante da possibilidade de aumento de produção por parte da Arábia Saudita, também afeta as ações da Petrobras - que vive do produto -, que são diretamente influenciadas pelo seu valor de negociação. Por volta das 11h30, o petróleo era negociado na faixa de US$ 134,00 o barril em Nova York.  OGX Mas o destaque do dia nesta sexta é mesmo a OGX. As ações da petrolífera OGX subiam 13,53% na estréia, com investidores apostando nas perspectivas da empresa criada há menos de um ano em um ambiente de disparada dos preços do petróleo.  O início dos negócios com os papéis marca a maior oferta pública inicial de ações já realizada na Bovespa. A operação levantou R$ 6,7 bilhões.  "A procura (pelas ações da OGX) foi muito grande e provavelmente muitos investidores não foram atendidos. O pessoal ainda está acreditando que o preço está barato", afirmou o analista Nelson de Matos, do Banco do Brasil Investimentos.  Entre os destaques negativos do dia estão as ações da Brasil Telecom. Na quinta-feira, a Anatel anunciou a aprovação por unanimidade da alteração no Plano Geral de Outorgas, que possibilitará a fusão da companhia com a Oi. BRTP PN registrava queda de 6,12% e BRT Operadora PN -4,50%. EUA Sem indicadores expressivos previstos por aqui nesta sexta, o destaque da agenda fica por conta do Índice de Preços ao Consumidor (CPI, na sigla em inglês) dos Estados Unidos. A inflação de maio no país foi de 0,6% em relação a abril, acima da previsão dos analistas, de que ficasse em 0,5%. Os preços de energia saltaram 4,4% e os da gasolina, 5,7%. O gás natural subiu 5,6% e os alimento, 0,3%. Em relação a maio do ano passado, a inflação foi de 4,2% - nível mais elevado desde janeiro. A inflação em alta reforça a perspectiva de que os juros possam ser elevados para contê-la. Essa percepção pode causar "estresse" nas bolsas de valores - com taxas maiores, os investidores tendem a preferir aplicações a juros, mais seguras, aos investimentos em ações. Com isso, vendem suas posições em bolsa, fazendo o preço dos papéis cair. Além disso, o índice de sentimento do consumidor da Universidade de Michigan em meados de junho caiu para o menor nível desde maio de 1980. Os dados, porém, não interromperam os ganhos nas bolsas norte-americanas. Às 11h32 (de Brasília), o Dow Jones subia 1,15% e o S&P 500 avançava 1,24%; o Nasdaq avançava 1,90%. As bolsas norte-americanas são sustentadas pela alta do dólar, queda do petróleo e pelo núcleo do CPI em linha ao esperado em maio. Os ganhos do Dow Jones hoje são liderados por companhias voltadas ao setor produtivo e doméstico, ao contrário dos últimos dois dias em que a alta do Dow Jones foi comandada nas primeiras horas do dia pelo setor financeiro. No segmento de tecnologia, as ações do Yahoo! perderam um pouco mais de terreno, enquanto as da Microsoft subiram, depois de ambas companhias terem anunciado o encerramento das negociações de fusão. As ações do Yahoo! caíram mais de 6%, enquanto os papéis da Microsoft avançaram mais de 3%. Já as ações do Google avançaram 2%. Na quarta-feira, a companhia e o Yahoo! anunciaram um acordo que dá ao Yahoo! permissão para usar tecnologia de busca e de anúncios contextuais do Google por meio dos programas AdSense for Search e AdSense for Content.

Tudo o que sabemos sobre:
BovespaPetrobrasPetróleo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.