Amanda Perobelli/ Estadão
Amanda Perobelli/ Estadão

‘Impacto de mutação do vírus será contrabalanceado por vacina’, diz ex-BC

Para economista Tony Volpon, variação pode interromper recuperação econômica, caso se espalhe para mais lugares do mundo

Entrevista com

Tony Volpon, ex-diretor do Banco Central

Fernanda Guimarães, O Estado de S. Paulo

21 de dezembro de 2020 | 20h33

Para o economista Tony Volpon, ex-diretor do Banco Central e estrategista-chefe da gestora WHG, casa recém-criada principalmente por ex-executivos do Credit Suisse, a mutação do novo coronavírus, caso se espalhe para mais lugares do mundo, pode interromper a recuperação nas economias que estavam seguindo o formato de “V”, ou seja de uma retomada acelerada após o tombo. Mas, por outro lado, há o efeito positivo com a expectativa da vacina. 

Quais os efeitos econômicos da descoberta de uma nova cepa do coronavírus?

Ainda temos que tentar entender. Há muitas incertezas desse ‘novo’ novo coronavírus. Parece que a taxa de infecção é maior, mas não é mais letal. Outras variáveis do vírus são constantes. Há um processo natural de mutação no código genético. Se essas premissas são verdadeiras, como o já visto na Inglaterra, parte da decisão dos governos será de impor medidas de restrição de circulação para compensar a maior taxa de infecção, para se manter o mesmo nível de pressão sobre o sistema de saúde. Em vários lugares do mundo já se estava enfrentando uma segunda onda e muitos países estavam evitando ao máximo entrar em lockdown, mas agora, com a nova cepa, devem adotar essa medida.

As projeções devem piorar?

As restrições devem ser maiores e isso tem um impacto negativo sobre a atividade. Aprendemos isso em março, que esse tipo de medida leva a um impacto na oferta. Então, várias economias que estavam com a ideia de recuperação em “V”, devem ter uma pernada para baixo. É um efeito matemático, as projeções de crescimento vão cair. Isso pressupondo que a nova cepa se alastre para mais lugares do mundo. Será a segunda pernada negativa da atividade econômica, mas ao mesmo tempo temos um tradeoff (troca) entre os países adotando medidas de restrição versus o efeito positivo com a expectativa da vacina, com o mercado projetando que em seis meses a situação estará muito melhor. 

É possível projetar qual o saldo para a economia em 2021?

O que o mercado não sabe é o efeito líquido de tudo isso. Vai piorar muito? Vamos voltar a viver março? A maioria acha que não. O impacto material deverá ser contrabalanceado pela vacina e com mais gastos fiscais. Quem pode, vai gastar mais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.