Marcos Santos | USP Imagens
Marcos Santos | USP Imagens

Impacto de subsídios na conta de luz pode fazer inflação ficar acima da meta de 4,25%

Inflação oficial pode fechar 2019 acima do centro da meta de 4,25%, projeta LCA; consumidores terão que pagar R$ 17 bilhões para cobrir o custo dos subsídios do setor em 2019

Maria Regina Silva, O Estado de S.Paulo

19 de dezembro de 2018 | 12h41

A inflação oficial pode fechar 2019 acima do centro da meta de 4,25%, conforme cálculos da LCA Consultores feitos com base na informação de que os consumidores de energia elétrica terão de pagar R$ 17,2 bilhões para cobrir o custo dos subsídios do setor no próximo ano

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) estima que em média a conta de luz ficará 1,45% mais cara.

Conforme a analista da consultoria Izabel Faez, o impacto previsto no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de 2019 é de 0,06 ponto porcentual. "Incorporando, esse impacto médio de 1,45%, a nossa projeção para energia elétrica no IPCA 2019 passa de 11% para 12,51%", diz Izabel.

Na composição do IPCA, o item tem participação de cerca de 4,00%. Com isso, a projeção da LCA Consultores para o IPCA de 2019 saiu de 4,23% para 4,29%. 

A estimativa para o dado fechado deste ano é de 3,70%, inferior ao centro da meta de 4,50%. 

Subsídios

Nesta terça-feira, a Aneel informou que os consumidores de energia elétrica terão que pagar R$ 17,187 bilhões para cobrir o custo dos subsídios do setor em 2019. 

O valor foi aprovado pela Aneel para que seja possível cobrir o orçamento da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE), taxa embutida na conta de luz que banca programas sociais, descontos tarifários e empréstimos subsidiados para o setor.

O orçamento da CDE neste ano deve somar R$ 20,208 bilhões, mas o fundo setorial contará com fontes de receita próprias de R$ 3,021 bilhões. 

O déficit da conta, portanto, é de R$ 17,187 bilhões, que serão repassados aos consumidores, por meio da conta de luz.

Os subsídios na conta de luz beneficiam diversos grupos de interesse. Na prática, o consumidor residencial paga um valor adicional para permitir que outros possam ter descontos tarifários. Todos os grupos beneficiados têm seus descontos assegurados por lei ou decreto.

Para pagar a CDE 2019, a Aneel prevê que as tarifas vão subir 1,45% em todo o País, em média. Para clientes do Norte e Nordeste, a alta seria de cerca de 0,82%. Para os das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste, o aumento seria de 1,74%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.