Impacto do câmbio nas exportações ainda preocupa Furlan

O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Luiz Fernando Furlan, voltou a manifestar preocupação com o impacto do câmbio sobre as exportações brasileiras. Ele disse que o governo avalia uma séria de medidas para "estimular" os setores exportadores mais afetados pela valorização do real, como de calçados, automotivo e de confecções. "Há várias maneiras de se ajudar essas indústrias, como as linhas de crédito para capital de giro via Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico (BNDES)", disse. Furlan não descartou também a redução de impostos, mas disse que "isso é mais complicado". O ministro explicou que sua maior preocupação é com o impacto do câmbio sobre a balança comercia do País em 2007. "No momento, o saldo acumulado da balança comercial dos últimos 12 meses está em torno dos US$ 45 bilhões e não acredito que até o final deste ano teremos uma redução drástica neste valor", afirmou. "No ano que vem, o impacto poderá ser mais negativo."Maio Furlan afirmou que o saldo positivo da balança comercial nas duas primeiras semanas de maio deverá ficar em torno de US$ 1,7 bilhão. Além disso, a média diária de exportações permanece em cerca de US$ 475 milhões. "São números expressivos, a tendência de crescimento foi contida." Questionado sobre o fato de acreditar numa desvalorização da moeda brasileira no curto prazo, o que estimularia as exportações, o ministro, demonstrando bom humor, afirmando: "Eu nunca perco a esperança."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.