Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Impacto do retorno do IPI nas vendas será moderado, diz Fiat

Redução das taxas de juros deverá minimizar impacto do fim da redução do IPI, afirma presidente da montadora

Michelly Chaves Teixeira, da Agência Estado,

31 de agosto de 2009 | 11h13

Com o retorno gradual do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) a partir de outubro, a indústria automobilística experimentará queda nas vendas, mas o impacto será de intensidade "média". Esta é a avaliação do presidente da Fiat, Cledorvino Belini, para quem o reflexo do fim da isenção fiscal "não será tão drástico", já que o impacto tende a ser minimizado, principalmente, pela redução das taxas de juros.

 

"Sem dúvida nenhuma, se considerarmos a elasticidade entre preço e procura, assim como a redução do IPI jogou a curva (de vendas) para cima, o aumento do tributo pode jogar a demanda para baixo", afirmou o executivo durante o simpósio Tendências e Inovação, promovido em São Paulo pela SAE Brasil.

 

Segundo Belini, deram fôlego ao mercado automobilístico, além do alívio fiscal e dos juros menores, a expansão do crédito e a volta da confiança do consumidor. Em sua apresentação, o executivo lembrou um mantra bastante entoado pela indústria quando esta lutava pela prorrogação da isenção do IPI: que o governo deixou de arrecadar, de janeiro a maio, R$ 1,244 bilhão com a renúncia do IPI, mas as vendas maiores resultaram em aumento da arrecadação de PIS/Cofins, ICMS e IPVA, gerando um saldo positivo total de R$ 1,15 bilhão no período.

Tudo o que sabemos sobre:
IPIvendasFiat

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.