finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Impasse ronda a reunião do G-20 em Washington

Promovida como a "Bretton Woods 2" por líderes europeus, a reunião de cúpula do G-20, que começa na sexta-feira, deve ser bem menos ambiciosa, no que depender do governo americano. O presidente George W. Bush receberá líderes de 19 nações, entre elas o Brasil, para discutir a crise financeira global e desenhar políticas para lidar com a recessão que já tomou conta de alguns países.Mas será difícil os chefes de Estado reunidos no National Building Museum chegarem a um acordo. Os europeus, principalmente os franceses, querem a criação de um órgão global de regulamentação financeira e também pregam maior supervisão de fundos hedge, de private equity e derivativos como os credit default swaps. Os americanos vêem com cautela qualquer iniciativa global ou política "contra o livre mercado"."Não há uma visão comum entre Estados Unidos e Europa", diz uma fonte próxima do governo Bush que acompanha as preparações da cúpula. "Não existe a menor possibilidade de os Estados Unidos aceitarem um órgão de regulamentação mundial. Bush não vai ceder o poder de os EUA regulamentarem seu sistema financeiro."O fato de só restarem dois meses de mandato a George W. Bush também põe em questão a relevância da cúpula. Tanto que os líderes europeus já estão propondo uma segunda reunião daqui a 100 dias, em fevereiro, cerca de um mês depois de Obama assumir a presidência. "O líderes conseguem concordar sobre a necessidade de fazer reformas no sistema financeiro, e devem sair da cúpula com um comunicado e uma programação para novos encontros", diz a fonte. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

AE, Agencia Estado

11 de novembro de 2008 | 08h39

Tudo o que sabemos sobre:
G-20impasse

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.