Importação chinesa de milho sobe em julho com onda de estocagem

As importações chinesas de milho subiram em julho pelo terceiro mês para atingir uma máxima de seis meses, à medida que os compradores estatais e traders comerciais do segundo maior consumidor mundial buscaram ampliar os seus estoques antes de uma disparada nas cotações norte-americanas.

Reuters

21 de agosto de 2012 | 11h05

No entanto, a recente alta nos preços do milho nos EUA diminuiu o interesse da China no grão e os volumes de importação devem cair nos próximos meses.

A China importou 721.16 toneladas do grão em julho, maior volume desde as 751.138 toneladas em janeiro --o qual analistas disseram ser o maior volume em décadas.

Todos os embarques que chegaram em julho foram comprados no primeiro semestre do ano ou mesmo no ano passado, antes da pior seca dos Estados Unidos em 56 anos levar os preços do milho na bolsa de Chicago (CBOT) à máxima recorde este mês.

As importações em julho levaram os embarques totais nos primeiros sete meses do ano para 3,12 milhões de toneladas, um salto de 15 vezes ante o ano passado. A maior parte dos embarques foi comprada pelo governo chinês para abastecer suas reservas estatais.

As importações de trigo em julho tiveram aumento de 133 por cento, para 251.474 toneladas, enquanto as importações entre janeiro e julho totalizaram 2,4 milhões de toneladas.

Analistas esperam que as importações de milho e trigo recuem nos próximos meses.

"As importações não possuem mais vantagem de preço sobre as ofertas domésticas, então os compradores não estão interessados em assinar novos acordos", disse Ma Wenfeng, analista da Beijing Orient Agri-business Consultant Co. Ltd.

"Há chuvas suficientes este ano que vão beneficiar a colheita de milho doméstica."

O governo chinês pretende liberar seus estoques antigos de milho para abrir espaço para a nova colheita, mas o volume não foi definido, disseram analistas.

A liberação, junto com as expectativas de uma baixa demanda dos processadores da indústria, manteve os preços do milho doméstico cerca de 13 por cento abaixo dos preços dos EUA, disseram traders.

(Reportagem de Niu Shuping e Fayen Wong)

Tudo o que sabemos sobre:
COMMODSMILHOCHINA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.