Importação de açúcar pela China mais que triplica em julho

As importações de açúcar pela China mais do que triplicaram em julho em relação ao mês anterior, para 280 mil toneladas, com operadores aproveitando os preços globais mais baixos, mas a pressão dos estoques domésticos tende a manter as importações totais no ano abaixo dos níveis recordes de 2013.

REUTERS

21 de agosto de 2014 | 11h45

Os preços internacionais de referência do açúcar caíram cerca de 4 por cento até agora este ano, devido a um excesso da oferta mundial, impulsionando as compras pelo segundo maior consumidor mundial do adoçante.

"Os preços no primeiro semestre não estavam tão baixos, por isso eles estão tentando recuperar o atraso agora", disse a fonte de uma trading com sede na China. Ele não quis ser identificado por não estar autorizado a falar com a imprensa.

Cerca de 1 milhão de toneladas de açúcar adicionais devem chegar no período de agosto a outubro, disse Zhan Xiao, analista da Xinhu Futures.

A maior parte dos embarques virá do Brasil, mas fortes descontos para o açúcar tailandês também têm atraído compradores nas últimas semanas, disse o operador.

A safra recorde na Tailândia neste ano e competição de outros exportadores forçou o país a reduzir seus preços.

Ainda assim, as importações não vão chegar aos níveis recordes do ano passado, com os preços domésticos recentemente caindo drasticamente e reduzindo o apelo por açúcar do exterior.

Os desembarques do último mês foram bem abaixo do nível de julho de 2013, de cerca de meio milhão de toneladas.

O total das importações em 2014 está previsto para atingir 3,4 milhões de toneladas, disse Zhan, acima das estimativas de cerca de 2,5 milhões de toneladas do início deste ano, mas muito abaixo das 4,5 milhões de toneladas do ano passado.

"A principal razão é o amplo estoque. A China ainda tem 3 milhões de toneladas de açúcar antigo que não foi vendido", disse ele.

(Reportagem Dominique Patton)

Tudo o que sabemos sobre:
COMMODSACUCARCHINA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.