Importação ganha fôlego e superávit comercial cai 51,4% sobre abril de 2007

Depois de começar o mês mais enfraquecidas, as importações voltaram a ganhar fôlego e derrubaram o superávit da balança comercial. Na terceira semana de abril, o saldo foi de apenas US$ 260 milhões - 79% menor que o resultado do mesmo período de 2007. Na semana, as exportações somaram US$ 3,28 bilhões e as importações, US$ 3,02 bilhões. No mês, as exportações acumulam US$ 8,98 bilhões e as importações, US$ 7,56 bilhões, com superávit de US$ 1,42 bilhão. Pela média diária, que é de US$ 101,5 milhões, o saldo comercial já é 51,4% menor que o de abril de 2007. Segundo os dados divulgados ontem pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, as importações no mês, pela média diária de US$ 540,3 milhões, ficaram 30,7% acima da média de abril de 2007 (US$ 413,4 milhões). Cresceram os gastos, principalmente, com adubos e fertilizantes (73,2%), combustíveis e lubrificantes (51,1%), veículos e partes (47,6%) e aeronaves e peças (44,1%).MANUFATURADOSPor outro lado, a média diária das exportações até a terceira semana de abril, de US$ 641,8 milhões, cresceu apenas 3,1% em relação a abril de 2007 (US$ 622,3 milhões). Os embarques de manufaturados aumentaram 3,5%, com destaque para óleos combustíveis, tratores, partes de motores para veículos, autopeças, motores e geradores, suco de laranja e automóveis de passageiros. As exportações de semimanufaturados se expandiram 1,5%, por causa do ferro fundido e dos semimanufaturados de ferro e aço. As vendas de produtos básicos aumentaram 1,1%, puxadas principalmente por soja em grão, café em grão, carne de frango, bovina e suína, e farelo de soja. No ano, as exportações totalizam US$ 47,67 bilhões e as importações, US$ 43,42 bilhões, com saldo positivo de US$ 4,26 bilhões. O superávit caiu 63,2%, pela média diária, em relação ao mesmo período do ano passado. As importações crescem 43% enquanto as exportações sobem 13,7% no período.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.