Importação mantém efeitos positivos em 2008

As importações desempenharam um papel crucial no bom desempenho da economia brasileira em 2007 e a expectativa é que os efeitos benéficos prossigam este ano. Aumento de produtividade na indústria, controle de preços e crescimento das vendas do varejo são alguns dos fatores citados por economistas como ganhos obtidos com o aumento das importações. O vice-presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), José Augusto de Castro, destacou as influências benéficas dos importados sobre a inflação e a ampliação de capacidade produtiva das empresas. Segundo dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, as importações cresceram 32% em valores no ano passado ante 2006. No período, o avanço dos bens de capital foi de 32,4%, com conseqüências positivas sobre os investimentos, e dos bens de consumo, de 32,2%, com efeitos favoráveis sobre a inflação e as vendas do varejo. O consultor do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi) e ex-secretário de Política Econômica, Júlio Sérgio Gomes de Almeida, explicou que, quanto mais a economia está voltada para o mercado doméstico, mais sobressaem os efeitos positivos das importações. A demanda interna foi o principal motor do crescimento econômico do ano passado. Segundo ele, a indústria cresceu 6% de janeiro a novembro, enquanto a demanda por produtos industriais aumentou acima de 9%. A fatia de demanda não atendida pela indústria doméstica foi coberta pelas importações. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.