Importações de máquinas superam exportações no acumulado até julho

O valor das importações de máquinas e equipamentos mecânicos superou o das exportações no acumulado dos sete primeiros meses de 2006, segundo levantamento divulgado nesta quinta-feira pela Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq). Entre janeiro e julho deste ano, as compras do País no exterior totalizaram US$ 5,507 bilhões, enquanto as vendas alcançaram US$ 5,335 bilhões, o que representou déficit comercial de US$ 172,18 milhões.No confronto com o mesmo período de 2005, foram verificados aumentos de 16,7% nas importações do segmento e de 10,4% nas exportações. Há um ano, as remessas para fora do Brasil acumularam US$ 4,831 bilhões e as importações totalizaram US$ 4,717 bilhões.De acordo com a Abimaq, o desempenho da indústria brasileira de máquinas e equipamentos "está em queda", com base nos indicadores do acumulado de 2006 até julho. A associação citou como exemplo o faturamento de bens de capital mecânicos, que atingiu R$ 30,558 bilhões e representou declínio de 3% sobre o mesmo período de 2005, quando foi totalizado o valor de R$ 31,493 bilhões.Na avaliação do presidente da Abimaq, Newton de Mello, a produção nacional, seja industrial ou agrícola, está "desestimulada pela forte apreciação do real". "Com o dólar abaixo de R$ 2,60 o produto brasileiro perde competitividade nos mercados interno e externo. Fica mais barato importar o produto final do que produzi-lo", disse, em comunicado à imprensa. "Como setor que é termômetro da economia, há mais de 12 meses, alertamos que a apreciação cambial promove a desindustrialização, a crise agrícola, o desemprego e a estagnação econômica", acrescentou o empresário.Segundo ele, como o consumo de máquinas não cresceu, conclui-se que houve uma substituição de máquinas nacionais por importadas. "Essa importação, porém está muito concentrada em máquinas originárias da China (alta de 102%), Hong Kong (75%) e Coréia do Sul (50%). Já os países notoriamente produtores de máquinas com tecnologia de ponta aumentaram as exportações ao Brasil abaixo da média. É o caso da Alemanha (alta de 10%) e da Suíça (9%)", complementou.Em julho de 2006, o setor de máquinas e equipamentos empregava 213.368 pessoas, o que representa 4.118 vagas a menos que no mesmo mês de 2005. Outra redução importante foi constatada na utilização média da capacidade instalada do período, que passou de 81,16%, em julho do ano passado, para 80,21% após um ano.Para a Abimaq, os dados do setor "desmentem a falsa tese" de que a indústria brasileira esteja aproveitando a baixa cotação do dólar para investir em máquinas modernas e sofisticadas, e assim aumentar sua produtividade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.