Paulo Liebert/Estadão
Paulo Liebert/Estadão

Marco Aurélio Mello manda ao STJ pedido de subsídio de importadora de combustível

Brasil China Importadora e Distribuidora entrou com mandado de segurança solicitando subsídio; programa criado pelo governo já prevê desconto igual aos importadores

Lorenna Rodrigues, Teo Cury, Rafael Moraes Moura, O Estado de S.Paulo

06 Junho 2018 | 16h59

BRASÍLIA- O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Marco Aurélio Mello, decidiu enviar ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) o pedido da Brasil China Importadora e Distribuidora, que entrou com um mandado de segurança no Supremo Tribunal Federal solicitando que seja concedida liminar (decisão provisória) para garantir subsídio de R$ 0,30 por litro de óleo diesel comercializado a partir do dia 30 de maio.

+ Ivan Monteiro diz saber de responsabilidade na solução da crise de combustíveis

Em sua decisão, Marco Aurélio apontou que cabe ao STF analisar mandados de segurança que questionam atos dos seguintes cargos e instituições: presidente da República, mesa do Senado ou da Câmara, procurador-geral da República, Tribunal de Contas da União (TCU) e o próprio Supremo.

"Desse rol não faz parte Ministro de Estado, cujos atos, a teor do artigo 105, inciso I, alínea "b", da Lei Maior, devem ser impugnados mediante ação mandamental a ser processada e julgada, originariamente, pelo Superior Tribunal de Justiça. Ante o quadro, declino da competência para o mencionado Tribunal", determinou Marco Aurélio Mello.

+ Dificuldade de repassar desconto do diesel vem de distribuidoras, alegam postos

O objetivo, de acordo com a companhia, é igualar as condições de concorrência das importadoras com a Petrobrás. Apesar da iniciativa da empresa, o programa criado pelo governo já prevê a concessão do mesmo valor de subsídio dado à Petrobras aos importadores.

Questionado pelo Estadão/Broadcast, o Ministério da Fazenda não comentou a ação específica, mas esclareceu que importadores também terão direito ao subsídio. Para isso, essas empresas - assim como a Petrobrás - terão que se habilitar junto à Agência Nacional de Petróleo. Outra exigência é que as empresas autorizem a Receita Federal a repassar dados fiscais à ANP necessários para o cálculo da subvenção.

+ Preço médio da gasolina cai 1,35% nesta quarta-feira, diesel segue em R$ 2,0316

A previsão de concessão do subsídio aos importadores está na Medida Provisória 838, editada pelo presidente Michel Temer no dia 30 de maio. Até amanhã, o Tesouro Nacional vai arcar com o correspondente a R$ 0,07 por litro do diesel. Desde o dia 24 de maio, a Petrobrás já havia reduzido voluntariamente o seu preço em R$ 0,2335 por litro e o governo decidiu subsidiar o restante para chegar a R$ 0,30 por litro.

A partir do dia 8, o governo editará um novo decreto prevendo que o Tesouro arque com R$ 0,30 por litro, valor que será pago aos produtores e importadores habilitados que vendam o diesel a R$ 2,1016 por 60 dias, valor que será definido mensalmente depois.

+ Governo orienta Procons para fiscalizar postos e garantir desconto de R$ 0,46 no diesel

No total, o preço do diesel cairá R$ 0,46 por litro na refinaria. Os R$ 0,16 restantes serão alcançados com a redução de tributos, compensada pela reoneração da folha de pagamentos e por redução de incentivos a exportadores.

A ação.  Caso não seja possível aplicar o subsídio, a importadora requer que seja afastado o da Petrobrás, "impedindo-a de obter compensação do governo federal por vender abaixo do preço de mercado". A empresa concorre diretamente com a estatal na venda de combustíveis no País.

O documento foi encaminhado ao ministro Marco Aurélio Mello, que foi sorteado relator do caso.

"A medida a ser adotada, neste caso, para igualar a Petrobrás aos demais participantes do mercado de combustíveis é, portanto, garantir o acesso ao subsídio de 30 centavos para os importadores, como a impetrante, já a partir do dia 30 de maio, quando foi promulgada a Medida Provisória 838/2018, de forma a colocar todos os participantes do mercado em igualdade de condições."

Os sucessivos aumentos do diesel desde o ano passado foram o motivo da paralisação dos caminhoneiros por 11 dias, o que gerou desabastecimento de mercadorias, alimentos e energia. Após três dias do início da paralisação a Petrobrás anunciou uma redução de 10% nos preços do óleo diesel na refinaria e um congelamento desses preços por 15 dias.

+ AGU cobra mais R$ 506,5 milhões em multas a 46 empresas transportadoras

Numa tentativa de evitar que a greve dos caminhoneiros entrasse em sua segunda semana, o governo cedeu ainda mais às reivindicações dos motoristas e aumentou o subsídio ao preço do diesel, em uma conta que alcança R$ 13,5 bilhões aos cofres públicos.

Em pronunciamento na TV, o presidente Michel Temer anunciou a redução de R$ 0,46 no preço do litro do diesel por 60 dias - valor próximo do pedido que citava valores entre R$ 0,40 e R$ 0,60. De acordo com o presidente, a partir daí, o diesel terá apenas reajustes mensais, decisão que visa a dar "previsibilidade" aos motoristas.

"É evidente que referido desconto foi concedido à revelia da Diretoria da Petrobrás, através de manifesta ingerência política do governo federal, acionista majoritário, na política interna da estatal", diz a empresa.

Na avaliação da importadora, o subsídio "foi disfarçadamente concedido de forma a beneficiar apenas a Petrobrás", o que colocou outras importadoras "em franca desvantagem, sendo, portanto, ilegal e inconstitucional".

"A impetrante, portanto, vem sendo forçada a competir com empresa estatal que goza de subsídio exclusivo pago pelos cofres públicos e que não lhe é igualmente aplicável, em clara violação à ordem econômica, tudo em decorrência de ato coator praticado pelos impetrados."

A importadora contesta ainda que a estatal será integralmente ressarcida, o que criará "uma condição de concorrência muito mais favorável à estatal". A empresa também critica o fato de que a Petrobrás irá praticar preço abaixo do mercado "e mesmo assim o governo federal irá bancar suas perdas, impedindo seus prejuízos".

"Ao conceder a subvenção econômica ao óleo diesel, o governo federal, que poderia colocar a Petrobrás e os importadores de combustíveis em um mesmo patamar, acabou por ampliar a condição de vantagem da Petrobrás, colocando os importadores em situação bastante prejudicial, já que a subvenção, até o dia 07 de junho, será dada apenas à Petrobrás."

A reportagem entrou em contato com a Petrobrás e com a Advocacia-Geral da União, mas não obteve retorno até a publicação desta matéria.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.