Importados têm recorde no consumo industrial no 2.º trimestre

Por outro lado, a alta do dólar pode reduzir as importações nos próximos meses e favorecer a recuperação da produção industrial interna

Ayr Aliski, da Agência Estado,

15 de agosto de 2013 | 14h45

BRASÍLIA - A participação dos importados no consumo industrial bateu recorde de abril a junho, de acordo com a série histórica trimestral da Confederação Nacional da Indústria (CNI) iniciada em 2007. O coeficiente de importação do segundo trimestre atingiu 21,1%, depois de apontar 21% no primeiro trimestre do ano.

O dado integra a pesquisa Coeficientes de Abertura Industrial, divulgada na manhã desta quinta-feira, 15. O estudo aponta que a recente alta do câmbio poderá reduzir as importações nos próximos meses e favorece a recuperação da produção industrial interna.

O coeficiente de importação teve seu patamar mais baixo no primeiro trimestre de 2010, quando ficou em 15,9, aponta a série histórica da CNI. Desde então, a trajetória de alta se mantém. O estudo analisa, a partir do segundo trimestre de 2007, os valores de exportações, importações e produção industrial acumulados.

O trabalho tem parceria com a Fundação Centro de Estudos de Comércio Exterior (Funcex) e considera o crescimento do coeficiente de penetração das importações em 12 setores da indústria de transformação. "A valorização do câmbio nos últimos meses amenizou o ímpeto importador, mas o contínuo aumento do coeficiente de importação reflete a perda da competitividade da industrial nacional frente a seu concorrente estrangeiro", diz o economista da CNI Marcelo Azevedo.

Exportação. A pesquisa da CNI aponta que, além do aumento das importações no consumo doméstico de bens industriais, caiu a participação das exportações no faturamento das empresas. O coeficiente de exportação registrou 19,2% no segundo trimestre, uma queda de 0,3 ponto porcentual em relação ao primeiro trimestre do ano. Segundo a confederação, a fraca demanda externa pelos produtos brasileiros e a queda dos preços internacionais explicam a perda no coeficiente de exportação no período.

No comparativo trimestral, houve queda no coeficiente de exportação em nove setores da indústria de transformação, dentre eles: metalurgia (1,1 ponto porcentual), máquinas e equipamentos (0,9 ponto porcentual) e têxteis (0,9 ponto porcentual).

Tudo o que sabemos sobre:
industria

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.