Imposto indiano beneficia minério brasileiro na China

As tarifas indianas sobre a exportação de minério de ferro adotadas nesta quinta-feira, 1º, devem acelerar a transição da China na direção de fornecedores brasileiros, apesar dos elevados custos de frete para transportar a commodity da América do Sul. Operadores e executivos do setor disseram que a probabilidade de que isso aconteça já ajudou a elevar o índice de frete na quarta-feira para um ponto mais próximo de seu pico histórico, registrado em Londres em 2004. O imposto de exportação da ordem de 300 rúpias (US$ 6,77) por tonelada de minério elevará o preço do ferro indiano a cerca de US$ 95 por tonelada para entrega na China, bem acima do preço brasileiro de US$ 90 por tonelada, a menos que os produtores indianos decidam bancar o custo adicional, segundo as fontes. "É uma loucura. O produto sairá bem mais caro do que cargas vindas do Brasil", disse um operador em uma das grandes tradings chinesas. "Na primeira fase, veremos algumas soluções de compromisso. Mas posteriormente os preços subirão." Outro operador concordou, dizendo que "os embarques brasileiros uma vez mais terão recepção melhor." A Índia, terceira maior fornecedora de minério de ferro à China, depois da Austrália e do Brasil, anunciou as tarifas de exportação como parte de um novo orçamento, em um esforço para reter mais matéria-prima para seu setor doméstico de siderurgia. O anúncio surgiu em um momento no qual as siderúrgicas chinesas vêm acelerando suas importações, antes da entrada em vigor de um aumento de 9,5% nos preços do minério de ferro, em abril, e também devido à forte demanda por aço no país e no exterior. "As pessoas estão na corrida para obter navios que transportem mais minério de ferro brasileiro", disse um executivo de uma importante companhia de navegação. "É provável que isso continue até o final de março. Inicialmente, esperávamos que as coisas se acalmassem na segunda metade do mês... Mas em longo prazo a China dependerá mais da Austrália e do Brasil para seu minério de ferro, de qualquer forma", acrescentou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.