carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Impostômetro chega aos R$ 600 bilhões nesta segunda

O Impostômetro da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) - painel eletrônico que mostra a arrecadação de impostos federais, estaduais e municipais em tempo real - vai informar nesta segunda-feira, aproximadamente às 21h20, que os brasileiros pagaram R$ 600 bilhões em impostos desde 1º de janeiro de 2006. Em 2005 esse valor foi alcançado somente no dia 28 de outubro, portanto 32 dias mais tarde. A arrecadação prevista para este ano deve superar a marca de R$ 800 bilhões, ultrapassando os R$ 731,8 bilhões de 2005. Somente no mês de agosto deste ano a Receita Federal informou o recorde de R$ 30,611 bi arrecadados. A Receita Previdenciária atingiu R$ 10,897 bilhões. Segundo o economista-chefe da ACSP, Marcel Domingos Solimeo, de todos os impostos recolhidos pelo governo, o imposto que mais pesa no bolso do cidadão é o Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), já que ele incide sobre tudo o que o é consumido. "Aqui o consumidor nem sabe o que está pagando, pois o ICMS integra o preço. Nos Estados Unidos, eles mostram todos sabem exatamente quanto pagam de imposto, pois ele é cobrado separadamente", afirmou Solimeo. Um estudo da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), da Universidade de São Paulo (USP), revela que o governo já abocanha 49% da renda das famílias que ganham até dois salários mínimos por mês (R$ 700). Em 1996, essa ´mordida´ era de apenas 28,2% - uma diferença de 21 pontos porcentuais. Famílias com renda superior a 30 salários mínimos (R$ 10,5 mil) também sofreram aumento da carga no período, mas bem menos doloroso: de 18% para 26%.Para se ter uma idéia, o economista deu alguns exemplos da porcentagem da carga de impostos sobre os alimentos para uma pessoa de renda baixa: 27,5% do valor da cesta básica é constituído de impostos, no vestuário, o índice é de 34,8%. A porcentagem chega a 74% nos produtos de higiene. São PauloNo Estado de São Paulo, desde a meia-noite do dia 1º de janeiro ata às 18h19, o total arrecadado estava em R$ 233.723.354.374,23. Isto representa R$ 5.779,11 pagos por habitante, apenas em 2006.O Impostômetro está instalado no prédio da ACSP, na Rua Boa Vista, 51, Centro, e também pode ser visualizado na internet. A contagem considera todos os valores arrecadados pelas três esferas de governo: impostos, taxas e contribuições, incluindo as multas, juros e correção monetária.Para o levantamento das arrecadações federais a base de dados utilizada é a Secretaria da Receita Federal, Secretaria do Tesouro Nacional, INSS, Caixa Econômica Federal, Tribunal de Contas da União e IBGE. A receita dos Estados e do Distrito Federal é apurada com base nos dados do CONFAZ (Conselho Nacional de Política Fazendária), das Secretarias Estaduais de Fazenda, Tribunais de Contas dos Estados e Secretaria do Tesouro Nacional do Ministério da Fazenda. As arrecadações municipais são obtidas através dos dados da Secretaria do Tesouro Nacional, dos municípios que divulgam seus números em atenção à Lei de Responsabilidade Fiscal e dos Tribunais de Contas dos Estados.

Agencia Estado,

25 de setembro de 2006 | 18h44

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.