Impostos contribuíram mais que setores no resultado do PIB

Os impostos sobre produtos cresceram mais do que o valor adicionado pelos setores de indústria, agropecuária e serviços, segundo a pesquisa do Produto Interno Bruto (PIB) divulgada na manhã desta quarta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No primeiro trimestre deste ano ante o mesmo período do ano passado, os impostos sobre produtos aumentaram 5,7%. O valor adicionado pelos três setores foi de 3,2%, resultado dos aumentos de 5% da Indústria e de 2,8% dos Serviços, subtraídos à queda de 0,5% da Agropecuária.No acumulado de quatro trimestres até o primeiro deste ano, os impostos sobre produtos tiveram alta de 4,1% e o valor adicionado pelos três setores econômicos cresceu 2,2%, como resultado das variações da Indústria (3%) e de Serviços (2,2%). A Agropecuária não apresentou expansão nem queda. O IBGE não informou o desempenho dos impostos sobre produtos na comparação do primeiro trimestre com o quarto trimestre do ano passado. PIBO PIB cresceu 1,4% no primeiro trimestre, tomando como base os últimos três meses de 2005. Na comparação com o mesmo período do ano passado o crescimento foi maior: 3,4%.Com o resultado, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, estimou um avanço de 4,5% na economia do País ao final de 2006. Ele explicou ainda que a alta de 1,4% entre janeiro e março representa um crescimento anualizado de 6%.O ministro também destacou o crescimento da formação bruta de capital (investimentos), que foi de 3,7% no primeiro trimestre deste ano. No quatro trimestre de 2005 o avanço havia sido menor, de 1,7%, mostrando uma tendência de recuperação após a queda de 0,9% nos três meses imediatamente anteriores. "Foi o que mais cresceu. Anualizado dá 12%", afirmou, acrescentando ainda que o País cresce com investimentos e com o aumento do consumo das famílias. "Isso é o mais importante."

Agencia Estado,

31 de maio de 2006 | 14h58

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.