Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Impostos do começo do ano têm descontos no pagamento à vista

Por IPTU oferecer parcelamento em até dez meses, contribuinte prefere pagar IPVA à vista e dividir o tributo dos imóveis ao longo do ano

Yolanda Fordelone , O Estado de S. Paulo

12 de janeiro de 2015 | 03h00

Apesar dos descontos concedidos no pagamento de contas de começo de ano, a maioria dos paulistanos ainda prefere parcelar as dívidas – pelo menos no que diz respeito aos imóveis. No ano passado, somente 31,1% optou por pagar o Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) à vista. Os outros quase 70% preferiram parcelar em até dez vezes.

No caso do tributo cobrado de donos de automóveis, o Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA), os números praticamente se invertem: 66,4% quitou a tarifa de uma única vez e 33,6% parcelou, segundo dados da Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo. 

O desconto do IPVA varia conforme o Estado e, no caso do IPTU, de acordo com a cidade. Em São Paulo, há uma redução de 3% no pagamento do IPVA à vista e de 4% no IPTU. Mas, para especialistas, não é o tamanho do desconto que o contribuinte tem olhado na hora de decidir como quitar seus impostos.

“No caso do IPTU, o parcelamento é maior”, destaca o especialista em investimento na InvestMobile, Cleiton Oliveira, ao lembrar que os proprietários de imóveis podem pagar o imposto em até dez vezes. “No IPVA, a pessoa pensa que poderá dividir o pagamento em apenas três meses”, diz.

Como decidir. Em geral, o consumidor olha se a parcela cabe no bolso, mas a lógica na hora de pagar dívidas deve ser outra. Segundo especialistas, é preciso comparar a taxa de desconto do imposto com o retorno obtido caso o contribuinte parcelasse o pagamento e aplicasse o dinheiro em um produto conservador.

No caso do IPVA, em que o desconto é de 3% e o parcelamento em três vezes, Oliveira calcula que a rentabilidade do fundo ou título de renda fixa deveria ser um pouco maior que 1% ao mês para valer a pena o parcelamento. “Não basta dividir 3% em três vezes porque o investidor também tem de pensar que todo mês terá de sacar uma parte do recurso principal para pagar a parcela”, afirma. Além disso, há o pagamento de Imposto de Renda de 22,5%, a maior alíquota pelo resgate ocorrer em menos de seis meses. 

Endividados também devem colocar as taxas na ponta do lápis. O diretor de sustentabilidade da Boa Vista SCPC, Fernando Cosenza, diz que a comparação deve ser feita entre a correção da dívida com o Estado ou município e o juro de um empréstimo pessoal ou consignado. “Se a correção do imposto for maior do que o juro do empréstimo, vale a pena pegar o crédito, quitar o imposto, concentrar todas as dívidas num só lugar e parcelar esse pagamento”, explica.

De acordo com Consenza, o brasileiro está menos endividado atualmente, mas o orçamento ficou mais apertado. “A renda não subiu como em anos anteriores e as correções reais dos salários não foram fantásticas”, diz. Além disso, a inflação elevada tem diminuído o poder de compra do consumidor. Com a mesma quantidade de dinheiro, portanto, a pessoa consegue comprar menos produtos no dia a dia.

Para chegar nesta época do ano com dinheiro suficiente para pagar à vista as contas, a sugestão é fazer o planejamento ao longo de todo o ano e não contar com o dinheiro do 13º salário. “Na planilha de orçamento tem de ter uma parte para as despesas extraordinárias, como impostos, matrícula escolar, etc. Sempre tem como projetar o valor”, afirma Cosenza. Ou seja, o contribuinte já pode pegar o valor do IPTU de 2015 e dividir por 12 para ter uma ideia de quanto será a despesa no ano que vem e quanto precisará economizar mensalmente. 

Tudo o que sabemos sobre:
IPTUimpostosIPVA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.