Impressora 3D transforma gesso de fratura em peça leve e fashion

Sistema de tratamento criado por estudante da Nova Zelêndia é fino, arejado, conforável e também lavável

Economia & Negócios,

03 de julho de 2013 | 15h24

SÃO PAULO - As impressoras que imprimem objetos em três dimensões prometem transformar o incômodo gesso usado em pernas e braços quebrados em uma peça leve e com design tão fashion que muita gente vai querer usAR mesmo sem precisar.

O gesso impresso feito nas impressoras 3D é projetado com base no membro do paciente, usando técnicas de raios-X e ressonância.  O sistema denominado Cortex utiliza um plástico fino, com recorte ventilado e lavável.

O idealizador do novo modo de engessar é o estudante Jake Evill, da Nova Zelândia. Segundo o jornal britânico Daily Mail, durante uma pós-graduação em mídia, ele trabalhou no departamento de ortopedia da sua universidade e idealizou o sistema que já é chamado de 'gesso do futuro'.

Agora o estudante está à procura de apoio para desenvolver o software de computador para socializar o tratamento.

O novo gesso é confortável como uma luva e parece capaz de provocar uma mudança de paradigma nos tratamentos com gesso - tão incômodos que deram novo significado ao termo engessado, hoje usado como referência a tudo o que signifique perda de liberdade e criatividade.

Tudo o que sabemos sobre:
Impressora3Ddimensõesimpressãogesso

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.