Impulso no setor de autopeças

José Guilherme Pantano, analista da corretora Fator Doria Atherino, explica que o reaquecimento da economia mundial e a desvalorização do real são fatores que colaboram para o aumento das vendas externas do segmento de autopeças. Segundo ele, o mercado volta a crescer e o preço dos produtos brasileiros no exterior está competitivo, favorecendo as exportações. A Marcopolo, fabricante de carrocerias para ônibus, é uma das companhias promissoras. Rafael Quintanilha, analista do BES Securities, acredita que a empresa manterá o volume de exportação para o México e melhorará a atuação nos mercados argentino e chileno. Ele avalia que a produção total da Marcopolo em 2000 será 40% maior em relação a 1999. Ele recomenda a compra de papel, pois acredita em valorização de 33%. Estratégia para crescimento inclui parcerias estrangeiras Segundo Pantano, algumas empresas estão se associando a companhias estrangeiras para incrementar as vendas. É o caso da Iochpe-Maxion, que atua no segmento de equipamentos ferroviários. Em fevereiro, ela formou uma joint venture com a Amsted Industries, criando a Amsted-Maxion. No primeiro trimestre, a nova empresa bateu recorde de produção de rodas ferroviárias.Pantano diz que as ações preferenciais (PN, com direito a voto) da Iochpe têm o maior potencial de valorização do setor. Ele sugere a compra, avaliando os papéis pelo preço de R$ 72,10 por lote de mil, uma valorização de 85% até o final do ano. No cenário nacional, a recuperação da indústria automobilística é o principal motivo para que o setor de autopeças apresente bons resultados. Bom desempenho No primeiro trimestre, a indústria cresceu 25% em relação ao mesmo período de 99. Segundo Pantano, o setor automobilístico deverá apresentar um crescimento de 10,5% este ano em comparação a 99. Ele espera que o setor de autopeças acompanhe esse ritmo.O analista informa que a Pirelli Pneus apresentou um incremento de 29% nas vendas de equipamentos originais destinadas às montadoras. Ele diz que o destaque nesse segmento foram as vendas de pneus para automóveis e caminhonetes, que cresceram 45% e 58%, respectivamente. Apesar desse desempenho positivo, não é uma boa hora para comprar as ações da Pirelli, pois elas estão com preços muito elevados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.