Inadimplência da pessoa física sobe 22,7% em março

A inadimplência dos consumidores brasileiros apresentou alta expressiva em março, segundo estudo divulgado nesta quarta-feira pela Serasa. O levantamento da companhia apontou que houve crescimento de 22,7% sobre o mesmo período de 2005, e aumento mais significativo, de 35,1%, ante fevereiro. As altas foram divulgadas após um registro de queda de 6,8% na comparação entre os dois primeiros meses do ano.Na avaliação da Serasa, o indicador de março "não define tendência" para a inadimplência a partir de abril e foi influenciado, principalmente, pela "expressiva evolução do crédito" para os consumidores do País em todas as modalidades.O indicador de inadimplência da Serasa contempla registros de cheques devolvidos, títulos protestados, dívidas vencidas com bancos e cartões de crédito e financeiras. No primeiro trimestre de 2006, houve crescimento de 16,6% no índice, em relação aos primeiros três meses do ano passado.RankingNo mês passado, os cheques sem fundos apresentaram novamente a maior participação, correspondendo a 33,2%. O porcentual foi superior ao registrado em março de 2005, quando atingiu 32,9%. As dívidas com bancos superaram as realizadas com cartão de crédito e financeiras. Atingiram o segundo posto em março, com participação de 32,1% e valor médio de R$ 1.102,93.A terceira maior participação, de 31,8%, ficou por conta do indicador dos registros de dívidas com os cartões de crédito e financeiras, que tiveram valor médio de R$ 313,44. Os títulos protestados, com 3% de representatividade e valor de R$ 763,26, tiveram a menor participação entre as modalidades pesquisadas pela Serasa.Em relação ao primeiro trimestre de 2005, houve um aumento de 9,7% no valor médio das anotações de cheques sem fundos e uma alta de 14% no das anotações de protestos. O valor médio das dívidas com cartões de crédito e financeiras aumentou 26,3%, em relação aos três primeiros meses de 2005, e o das dívidas com os bancos registrou um crescimento de 4,4%, na mesma base de comparação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.