Inadimplência das empresas cresce em março, aponta Serasa

O Indicador Serasa de Inadimplência, que contempla todas as modalidades de inadimplência (registros de cheques devolvidos, títulos protestados e dívidas vencidas com bancos), apontou que em março deste ano a inadimplência de pessoa jurídica voltou a crescer, após a queda verificada no mês anterior. A alta foi de 24,3% em relação a fevereiro de 2005. Comparada a março de 2004, a inadimplência das empresas aumentou 8,2%. Técnicos da empresa especializada em análise de crédito avaliam que a alta da taxa básica de juros da economia, a Selic, desde setembro do ano passado, que reduziu o ritmo de crescimento da economia, já pode estar atingindo as finanças das empresas. Na comparação do primeiro trimestre deste ano com o último trimestre do ano passado, no entanto, a inadimplência das pessoas jurídicas permaneceu praticamente estável, variando apenas 0,1%. Já na comparação com o primeiro trimestre do ano passado, o crescimento foi de 4,4%. Na série dessazonalizada (livre de efeitos temporais), a alta do mês de março em relação a fevereiro de 2005 foi de 2,5%. Já na comparação trimestral, houve uma queda de 2,7% no primeiro trimestre deste ano com relação ao último trimestre de 2004.Participação maior de títulos protestadosO Indicador Serasa de Inadimplência mostrou que os títulos protestados registraram a maior representatividade na inadimplência das empresas, com a participação de 42% em março de 2005. No entanto, essa participação vem caindo em relação a iguais períodos de anos anteriores. Em 2004 e 2003,os títulos protestados tiveram, em média, pesos de 46% e 49%, respectivamente.O segundo índice na representatividade do indicador de inadimplência das pessoas jurídicas é o de cheques sem fundos, que aumentou de 36%, em março de 2003, para 38% no ano seguinte e finalmente, para 39% do total neste ano. Com a menor representatividade estão as dívidas registradas com os bancos, 19% no terceiro mês de 2005, superior as participações de 2004 e 2003, que foram de 16% e 15%, respectivamente.ValoresEm março, o valor médio das anotações negativas de cheques sem fundos das pessoas jurídicas atingiu R$ 1.201. Já o valor de títulos protestados registrou R$ 1.400 e o valor médio das dívidas registradas com os bancos foi de R$ 3.377. O valor médio das dívidas com cheques sem fundos, em março deste ano, aumentou 6,6% em relação ao terceiro mês de 2004, e o valor das dívidas de títulos protestados apresentou alta de 9,5%. Em relação a março de 2004, o valor das dívidas junto aos bancos foi o que registrou maior alta, 23,3%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.