Estadão
Estadão

Com aprofundamento da crise, inadimplência das empresas avança 12,1% em abril

Segundo a Serasa, o quadro de desaceleração prejudicou a geração de caixa das empresas e a alta dos juros encareceu os custos financeiros, levando mais companhias a atrasar o pagamento

Mário Braga, O Estado de S. Paulo

28 Maio 2015 | 10h11

SÃO PAULO - O quadro de desaceleração da economia prejudicou a geração de caixa das empresas e a alta dos juros encareceu os custos financeiros no mês de abril, levando mais companhias a atrasar o pagamento. Esta é a conclusão dos economistas da Serasa Experian, ao analisarem os dados da inadimplência das empresas no mês passado. 

Segundo a instituição, o atraso no pagamento por parte das companhias avançou 12,1% em abril na comparação com igual mês de 2014, e registrou o mesmo índice de alta no acumulado dos quatro primeiros meses do ano ante igual período do ano passado. Em relação a março, no entanto, houve retração de 5,8% do Indicador Serasa Experian de Inadimplência das Empresas. Para os economistas da Serasa, a queda na margem se deve à menor quantidade de dias úteis em abril (20) que em março (22).

Na passagem de março para abril, houve queda em três dos quatro componentes do indicador: títulos protestados (-18,0%), cheques sem fundos (-7,1%) e dívidas não bancárias, junto aos cartões de crédito, financeiras, lojas e prestadoras de serviços (-0,5%). Já as dívidas com os bancos avançaram no período (2,2%) e limitaram o recuo da inadimplência na margem.

Valor médio. De janeiro a abril, o valor médio dos cheques sem fundos aumentou 12% na comparação com o mesmo período de 2014, para R$ 2.464,58. O valor médio dos títulos protestados avançou 7,6%, para R$ 2.325,89, no período. O valor médio das dívidas não bancárias cresceu 1,9%, para R$ 874,12 na mesma base comparativa. Já as dívidas com os bancos tiveram o valor médio 15,3% menor no primeiro quadrimestre ante igual período de 2014, para R$ 4.249,02. 

Mais conteúdo sobre:
inadimplênciaempresas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.