finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Inadimplência das empresas sobe 4,3% em outubro

O crescimento da inadimplência entre as empresas registrou, em outubro, elevação de 4,3% em relação ao mesmo mês do ano passado, revelou o Indicador Serasa Experian de Inadimplência das Empresas, divulgado hoje. O aumento é o menor apurado em 2009 na comparação de um mês com seu equivalente em 2008. Na comparação com setembro, a inadimplência cresceu 0,8% e, no acumulado do ano até outubro, há uma alta de 24,3% ante o mesmo período de 2008.

EQUIPE AE, Agencia Estado

23 de novembro de 2009 | 10h52

Segundo os técnicos da Serasa Experian, empresa especializada em análise de crédito, a retomada da produção no País, somada à redução da inadimplência das pessoas físicas e à volta gradual do crédito às empresas, explica a queda do ritmo de alta da inadimplência, fenômeno que vem ocorrendo desde junho.

As empresas com foco na exportação, de acordo com os técnicos, são as que têm apresentado a maior dificuldade, por causa do real valorizado e da queda da demanda externa. Os técnicos avaliam que o movimento de retração do ritmo de alta da inadimplência das empresas deve continuar nos dois últimos meses do ano.

De acordo com a pesquisa, os títulos protestados lideram o ranking de participação na dívida das empresas no acumulado do ano até outubro, com 41,6%. Em seguida aparecem os cheques sem fundos, com 38,8%, e as dívidas com bancos, com 19,6%. O valor médio das dívidas com os bancos chegou a R$ 4.568,14, enquanto os títulos protestados tiveram valor médio de R$ 1.763,43. Já os cheques sem fundos registraram valor médio de R$ 1.621,91 nos dez primeiros meses de 2009.

Tudo o que sabemos sobre:
inadimplênciaempresaspesquisaSerasa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.