Inadimplência das empresas tem a maior queda em seis anos, diz Serasa

Segundo a Serasa, inadimplência de pessoas jurídicas caiu 7,2% de janeiro a agosto deste ano na comparação com igual período de 2009 

Agência Estado,

30 de setembro de 2010 | 10h59

A queda na inadimplência das empresas é a maior em seis anos, de acordo com dados da Serasa divulgados nesta quinta-feira, 30. De janeiro a agosto deste ano, em relação a igual período do ano passado, a inadimplência das pessoas jurídicas caiu 7,2%. Considerando o acumulado de janeiro a agosto, foi o maior recuo desde 2004, conforme o Indicador Serasa Experian de Inadimplência das Empresas. Na relação de agosto sobre julho, por sua vez, a queda na inadimplência dos negócios foi de 4,2%. Já na comparação anual, de agosto deste ano sobre agosto de 2009, houve um aumento de 3,8%.

De acordo com análise da Serasa, um fator importante que contribuiu para a queda da inadimplência das pessoas jurídicas, observado nas variações acumulada e mensal, foi o fim do ciclo de elevação da taxa básica de juros, a Selic. Com juros estáveis, as empresas passaram a contar com maior previsibilidade em relação aos seus custos de capital.

Na análise por porte de empresa, considerando a variação mensal (agosto ante julho), as grandes empresas experimentaram uma queda de 11,7% em sua inadimplência. Nas médias empresas, o recuo foi de 6,1% e nas micro e pequenas, de 3,9%. Quanto à variação anual, houve alta de 4,1% na inadimplência das micro e pequenas empresas, ao passo que as grandes e as médias continuaram registrando quedas de 0,4% e 2%, respectivamente.

De julho para agosto, as dívidas não honradas junto aos bancos foram as que contribuíram para a alta do indicador. Com o crescimento de 2,8% no mês, a contribuição dos bancos foi de 0,7%. Já os protestos, com queda mensal de 8,1%, e os cheques devolvidos por falta de fundos, com 4,4% de recuo, contribuíram de maneira determinante para a queda do indicador, com 3,2% e 1,6%.

Valor médio das dívidas

De janeiro a agosto de 2010, o valor médio das dívidas com bancos foi de R$ 4.733,64, com 3,6% de elevação, ante igual período do ano anterior. Quanto aos títulos protestados, o valor médio registrado nos primeiros oito meses foi de R$ 1.635,58, o que resultou em 8,9% de queda, sobre o acumulado de janeiro a agosto de 2009. Os cheques sem fundos tiveram, de janeiro a agosto deste ano, um valor médio de R$ 2.034,28, resultando em 33,1% de crescimento, quando comparado com o mesmo acumulado do ano anterior.

A Serasa avalia que a proximidade das grandes datas do varejo no último trimestre do ano (Dia das Crianças e Natal) deve aumentar a geração de receitas das empresas, sobretudo daquelas ligadas aos bens de consumo, e reduzir a inadimplência dos negócios. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.