Inadimplência demora mais a cair do que o previsto

O Brasil está atravessando a quarta crise de inadimplência dos últimos 15 anos. E, desta vez, a onda de calotes dos consumidores está demorando mais a passar. A demora frustra os planos do governo de obter uma arrancada mais forte da economia com pacotes de incentivo ao consumo, como ocorreu na crise de 2008.

MÁRCIA DE CHIARA, RAQUEL LANDIM E ÁLVARO CAMPOS, Agencia Estado

24 de junho de 2012 | 09h19

Nos últimos meses, a economia andou de lado, influenciada principalmente pelo baixo nível de investimentos e pela frustração com a produção do campo. O governo baixou impostos para facilitar a venda de geladeiras a carros. Segundo os primeiros dados do comércio, o consumidor reagiu, mas sem euforia.

A principal explicação está na inadimplência. Em abril, o nível de calotes bateu em 7,6%, maior marca desde setembro de 2009, segundo o Banco Central. Segundo economistas, lojistas e executivos de bancos, a tendência é de queda gradual, mas o calote só deve recuar para níveis normais, em torno de 6,5%, no fim do ano.

A maior dificuldade do brasileiro para pagar as dívidas em comparação com outros períodos de pico de calote se deve à forte ressaca do consumo. Pesquisa da Serasa Experian, feita em março com 350 mil inadimplentes, revela que 64% deles tinham dívidas em atraso que superavam 100% da renda mensal. Ficaram de fora pendências com contas de água, luz e outros serviços. "Isso significa que, para limpar o nome, a maioria dos inadimplentes precisa desembolsar o salário inteiro do mês", diz o economista responsável pelo indicador, Luiz Rabi. É o pior resultado em dois anos.

Em 2001, 2005 e 2008/2009, a disparada do calote foi provocada pelo aumento do desemprego. Desta vez, no entanto, o desemprego bate recorde de baixa e a inadimplência, de alta, só que por excesso de endividamento.

O comércio e os bancos têm avaliação semelhante. Na semana passada, o presidente do Santander Brasil, Marcial Portela, disse que a inadimplência deve começar a se estabilizar no fim do ano. Até lá, o calote e as provisões para possíveis perdas devem continuar subindo.

"A inadimplência não deve ceder rapidamente. O retorno para níveis normais deve ocorrer mais para o fim do ano", prevê o economista da Associação Comercial de São Paulo, Emílio Alfieri. Ele lembra que o último pico do calote do crediário ocorreu em abril de 2009. Naquele mês, a inadimplência líquida, que considera os carnês não pagos, descontados dos renegociados, em relação às vendas financiadas de três meses anteriores, foi de 10,3%, mas recuou para 6,5% cinco meses depois. Em abril deste ano, o índice atingiu 8,5% e teve uma ligeira queda em maio para 8,1%, motivada por uma campanha de renegociação.

Mas dados preliminares mostram que, na primeira quinzena de junho, o calote voltou a subir num ritmo superior ao das renegociações, invertendo a tendência observada desde abril. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
créditoinadimplênciaconsumo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.