Inadimplência diminui no País

A inadimplência no país vem diminuindo desde abril de 2000, enquanto o volume de negócios está crescendo. A conclusão é de uma pesquisa da Centralização de Serviços dos Bancos (Serasa), que assessora 1,5 milhão de negócios por dia. O indicador de negócios da Serasa é uma medida de médio e longo prazos, com duas curvas, uma de negócios, e outra de inadimplência. Pela primeira vez, desde 1990, a curva de inadimplência - que considera o total de concordatas, falências, títulos protestados e cheques sem fundo - ficou abaixo da curva de negócios. De acordo com o estudo, o número de pagamentos de títulos protestados aumentou de 21,1% no primeiro semestre de 1990 para 40,9% no mesmo período de 2000. A maior parte dos protestos foi pago pelas pessoas físicas - 43,8% do total de títulos. O número de cheques sem fundos também diminuiu. Em março de 2000, para cada mil cheques compensados, 1000 foram devolvidos por falta de fundos, em julho, esse número baixou para 9,8.Para o presidente da Serasa, Elcio Aníbal de Lucca, os indicadores revelam que o País está entrando em um ciclo de crescimento mais sólido. Ele prevê um crescimento econômico de 3% a 4 % até o final do ano. Associação Comercial de São Paulo também registra queda na inadimplência A Associação Comercial de São Paulo (ACSP) também registrou queda da inadimplência em São Paulo, considerando o número de registros recebidos e cancelados pelo Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC). As consultas ao SCPC e ao Telecheque cresceram cerca de 10% em julho de 2000 em relação ao mesmo período do ano passado. O número de registros também cresceu nesse período, mas foi compensado pelo aumento do número de cancelamentos, mantendo a inadimplência em queda.De acordo com o presidente da ACSP, Alencar Burti, esses indicadores demonstram que a economia brasileira está em acentuado processo de recuperação. Por isso, prevê uma nova queda na taxa básica de juro (Selic) e redução de custo do dinheiro para tomadores de empréstimo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.