Inadimplência do cheque cai 7% no ano

Setembro foi o quarto mês seguido de recuo, diz Serasa

Márcia De Chiara, do Estadão,

24 de outubro de 2007 | 12h50

Mais um indicador aponta para o recuo da inadimplência do consumidor. De cada mil cheques compensados no mês passado em todo o País no Banco Central, 17,7 foram devolvidos por falta de fundos, segundo pesquisa da Serasa. Em setembro de 2006, tinham sido devolvidos 18,9 cheques de cada mil compensados, um recuo de 6,3%, aponta a pesquisa. É o quarto mês consecutivo em que o calote do cheque é menor na comparação com o mesmo mês de 2006. De janeiro a setembro, a inadimplência do cheque também está em queda, aponta a pesquisa. Recuou 7% no período na comparação com 2006. De cada mil cheques compensados até o mês passado, 19,8 foram devolvidos pela segunda vez, contra 21,3 em igual período de 2006. Segundo o gerente de Análise Setorial da Serasa, Marcos Abreu, há indicações de que a inadimplência do cheque vai fechar este ano num nível inferior ao registrado em 2006. Na média do ano passado, de cada mil cheques compensados, 20,7 estavam inadimplentes. "Melhorou, mas não dá para comemorar", pondera o economista, ressaltando que em 2004 e 2005, o indicador médio fechou o ano num nível bem menor que o atual. Crescimento da renda e do emprego, juros menores e prazos mais longos do crediário têm favorecido a queda da inadimplência, diz Abreu. Também o fato de o emprego com carteira assinada ter aumentado contribui para o recuo da inadimplência, uma vez que há empresas que só contratam se o trabalhador estiver com o nome limpo na praça. Tendência Outro índice de inadimplência do consumidor, também da Serasa, mas de espectro mais amplo e divulgado na segunda-feira, confirma essa tendência. O Indicador Serasa de Inadimplência, que reúne informações sobre títulos protestados, dívidas vencidas com bancos, cartão de crédito, carnês e cheques, caiu em setembro 8,1% ante agosto. No ano até setembro, o recuo foi de 0,8% na comparação com igual período de 2006.  Também os dados da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) da primeira quinzena deste mês mostram um equilíbrio na inadimplência. O número de carnês com prestações atrasadas há mais de 30 dias cresceu na primeira quinzena de outubro 15,8% em relação a igual período de 2006. Enquanto isso, o número de carnês inadimplentes que foram quitados aumentou 15,5% nas mesmas bases de comparação. O conjunto desses indicadores mostram, de certa forma, um alívio na inadimplência e a perspectiva de um fim de ano melhor, concordam os especialistas em varejo. Apesar da perspectiva favorável para o calote, a ACSP e a empresa americana Fair Isaac Corporation acabam de fechar uma parceria para colocar em operação um programa de computador que, na prática, desempenhará a função de um bureau positivo, levando em conta o cadastro dos bons pagadores, enquanto bureau positivo não é aprovado pelo governo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.